Tesouro Direto – Guia Completo

Tesouro Direito - Guia Completo

Tudo o que você precisa saber para investir no Tesouro Direto

O que é o Tesouro Direto?

É um programa apresentado em 2002 pelo Tesouro Nacional concebido para democratizar o acesso aos títulos públicos. Dessa forma qualquer pessoa física poderia investir diretamente começando com apenas 30 reais. Anteriormente a esse programa, as pessoas físicas somente conseguiriam investir através de fundos de renda fixa, indiretamente. O Tesouro Direto, além de ser uma opção de investimento com boa rentabilidade, é considerado seguro. Em suma, o Tesouro Direto é considerado o investimento mais econômico e seguro para quem deseja boa liquidez. Essa modalidade oferece títulos com tipos de rentabilidade diferentes, ligados à variação da taxa de juros (Selic) e da inflação.

Vantagens em investir no Tesouro Direto:

  • O tesouro direto consiste em ativos que são considerados os mais seguros do mercado.
  • Como são de titularidade do comprador, caso você queria mudar de instituição financeira será possível sem arriscar sua aplicação.
  • As informações sobre seu investimento estarão ligadas ao seu extrato bancário, possibilitando um controle financeiro facilitado.
  • Em comparação com os fundos de investimento, o custo é bastante competitivo.
  • As taxas cobradas são anuais e são comparáveis às de fundos com investimentos altos, o que torna o Tesouro Direto bastante atrativo.
  • Os impostos cobrados são os mesmos que os dos fundos de renda fixa e o imposto de renda será cobrado no vencimento do título.
  • A liquidez é diária, garantida pelo Tesouro Nacional, ou seja, o Tesouro Nacional compra seus títulos públicos todos os dias.
  • É um tipo de investimento bastante acessível, com apenas 30 reais disponíveis, uma pessoa física com conta em banco pode se tornar um investidor.
  • Todas as suas transações de investimento podem ser feitas online, através do seu Internet Banking. Portanto, é muito fácil e rápido investir no tesouro direto.
  • As datas de vencimento são variadas, isso permite um planejamento melhor adequado às suas necessidades.

Como investir no Tesouro Direto:

Em primeiro lugar, será preciso ter uma conta em alguma agência bancária de sua preferência. Também pode ser em uma corretora para investimentos financeiros para intermediar suas transações. Há uma documentação necessária para bancos e outras instituições financeiras para possibilitar a abertura da conta. Prepare os documentos exigidos e abra sua conta para realizar as operações de compra e venda.

Após a conclusão das etapas necessárias, entre em contato com a instituição financeira para realizar os investimentos. Você receberá uma senha provisória para acessar a área restrita do Tesouro Direto. Após o seu primeiro acesso à BM&FBovespa troque a senha provisória por uma com números, letras e caracteres especiais. Essa senha deverá ter entre 8 a 16 dígitos e será sua senha definitiva. Ao acessar o conteúdo, verifique qual são as opções de investimento mais adequadas a você. Há uma ferramenta chamada Orientador Financeiro, que lhe auxiliará na área restrita ao investidor.

Além disso, você poderá acessar suas aplicações através de 3 canais disponibilizados:

  • O site do próprio Tesouro Direto.
  • As instituições bancárias geralmente têm integração de seus sites com investimentos no Tesouro Direto. Você poderá não somente acessar, como também aplicar.
  • É possível autorizar a instituição financeira a negociar os títulos em seu nome automaticamente.
  • Você também pode programar os investimentos e aplicações através do sistema.

Instituições financeiras para investir no Tesouro Direto:

Essas instituições também são chamadas de agentes de custódia. Quer dizer, são corretoras ou bancos que têm habilitação para operar diretamente com o programa do Tesouro Direto. Essas empresas são responsáveis por realizarem o cadastramento e intermediarem as transações financeiras para investimentos. Além disso, contam com pessoas capacitadas a aconselharem e apoiarem os investidores em suas decisões. Salienta-se que cada empresa terá uma taxa própria para realização de operações financeiras de investimento no Tesouro Direto. Nem todas possuem integração ou permitem a aplicação programada, por isso consulte esses fatores se achar que são importantes para seus investimentos. Os prazos de repasse também variarão, bem como os prazos de vencimento das cobranças. Consulte o site oficial do programa para ver a lista completa de instituições, taxas, descrições das cobranças e prazos de repasse. A tabela está disponível no site oficial do Programa do Tesouro Direto.

Quais são os tipos de Títulos Públicos:

Há dois tipos de Títulos Públicos principais, os Títulos Públicos pré-fixados e os pós-fixados. Essas duas categorias ainda têm alguns subtítulos como os pré-fixados LTN (com juros semestrais) e os pós fixados baseados em taxas Selic, LTF, semestrais, etc.

Vamos verificar as diferenças entre os dois tipos de forma mais geral:

Títulos Públicos pré-fixados:

  • É possível saber exatamente a rentabilidade obtida até a data de vencimento.
  • São mais indicáveis se você achar que a taxa de juros será maior do que a taxa Selic (taxa de juros básica da Economia).
  • Têm rentabilidade predefinida, o que significa que a inflação terá que ser descontada dos seus juros sobre o investimento.
  • Podem ser LTN (fluxo de pagamento simples, então o pagamento será feito na data de vencimento do título) ou NTN-F (pagamento dos juros a cada seis meses).

Títulos Públicos pós-fixados:

  • O valor será corrigido por um indexador baseado na Selic e na taxa de inflação.
  • A taxa será indicada no momento da compra e deve ser somada à taxa do indexador no resgate.
  • As possibilidades de ganho são mais altas caso a taxa de inflação da economia e a Selic estejam mais altas.
  • Os valores mínimos para investimento podem ser maiores, por isso consulte seu agente de investimentos para obter orientações.
  • Nessa modalidade há três tipos disponíveis: o Selic (LTF), Tesouro IPCA + juros semestrais e Tesouro IPCA + NTN-B Pincipal.

Consulte os detalhes de cada modalidade de títulos públicos no site oficial do tesouro. Também será possível acessar um questionário para saber qual tipo é mais indicado para você.

Indicadores do Tesouro Direto:

Os indicadores econômicos serão bases importantes para quem pensa em investir no tesouro direto. As projeções, estimativas e porcentagens são os indicadores usados para medir os juros. Os órgãos que fornecem estudos estatísticos e de medidores econômicos são oficiais como o Banco Central, IBGE e a Bovespa. A partir de estudos de mercado e variação, são apresentados índices que refletirão sobre os juros de seu investimento. A cotação do dólar comercial também é usada como índice para medir em % as médias das consultas feitas pelo Banco Central. Enfim, esses indicadores são os mesmos usados para medir as taxas da economia do país em geral e indicam a ascensão ou queda de nossa economia.

As taxas para indicadores são:

  • IPCA: é o índice que mede a variação dos preços no mercado. Significa Índice de Preços ao Consumidor e representa a inflação oficial no Brasil medida.
  • IGPM: significa Índice Geral de Preços no Mercado, é calculado mensalmente pela FGV indicando as flutuações de preço na economia brasileira.
  • SELIC: a sigla significa Sistema Especial de Integração e Custódia. É a taxa básica de juros do Brasil. É uma média ponderada dos juros praticados pelas diversas instituições financeiras.
  • Índice do Dolar: serve como indicador porque é uma ferramenta importante para qualquer investidor. Compara o dólar americano com outras moedas ao redor do mundo, oferecendo assim parâmetros para previsões futuras na economia.
  • Ibovespa: considerado o indicador mais importante de cotação das ações negociadas na Bolsa de valores de São Paulo.

Títulos Públicos são investimentos de renda fixa:

Nesse sentido, caso você opte por investimentos de renda fixa pode considerar os títulos públicos como uma opção segura. Nos investimentos de renda fixa, a pessoa que investe já conhece as condições de remuneração. Porém, o rendimento final ficará a cargo das variações nos índices. O intervalo entre a data de compra e vencimento pode fazer o preço flutuar de acordo com as oscilações da taxa Selic, por exemplo. Consequentemente, os preços dos títulos serão influenciados pelos juros obtidos através dos indicadores. Em suma, a renda fixa significa que você estará emprestando seus investimentos a alguém que pagará juros sobre os empréstimos. Isso pode ser benéfico a todas as partes, tanto para o banco, quanto para quem empresta ou busca investimento a seus negócios. Assim, você simplesmente estará emprestando dinheiro a empresas que precisem e o banco intermediará o processo, garantindo a segurança de seus investimentos também.

Concluindo:

Títulos Públicos como alternativas de investimentos em renda fixa representam benefícios porque permitem maior rendimento do que a caderneta de poupança. Para quem procura lucrar com investimentos e também busca segurança, investir em Títulos Públicos do Tesouro Direto pode ser uma excelente opção. Por outro lado, as empresas também saem ganhando porque ao abrirem seu patrimônio ao mercado de títulos e ações evitam taxas abusivas de juros cobradas em financiamentos bancários para o funcionamento de seus negócios.

Fundo de Investimentos – Guia Completo

Fundo de Investimentos - Guia Completo

Saiba tudo sobre os fundos de investimento

O que são os fundos de investimento?

Resumidamente, um fundo de investimentos une vários investidores que visam lucros estimados. As receitas geradas são divididas, bem como as despesas necessárias. Especialistas contratados geralmente são responsáveis pela administração, gestão da carteira de ativos para diminuir os riscos e por otimizar os lucros. As carteiras dos fundos de investimento podem conter vários tipos de ativos como títulos de renda fixa (CDBs), títulos cambiais, ações de empresas, títulos públicos, etc.

Comodidade para quem investe:

Acredita-se que os fundos de investimento são geralmente mais cômodos aos investidores, pois o especialista cuidará de todos os detalhes mais complicados das operações. É importante destacar que já há estudos que indicam que no mercado atual, os gestores de carteiras não conseguem altos rendimentos. Considerando-se os índices de lucro em relação às taxas de inflação e os impostos. Portanto, por mais que sejam investimentos cômodos, a rentabilidade pode ser limitada.

Vantagens e desvantagens dos fundos de investimentos

Vantagens dos fundos de investimento:

  • A diversificação torna os fundos de investimentos mais seguros, uma regra dos negócios de investimentos é poder investir em diversos tipos de aplicações.
  • São opções para quem deseja aplicar seu dinheiro de forma econômica. Sobretudo porque funcionam como clubes de investimentos, são sempre em grupo e os recursos se somam.
  • Como já foi referido, a comodidade de ter um gestor especialista para analisar suas aplicações.
  • Os custos e pagamentos são diluídos por todos os investidores.
  • O Imposto de Renda e o IOF são descontados direto na fonte.
  • Ativos que seriam caros demais para o investidor, podem ficar disponíveis na carteira de investimentos do fundo.
  • Como a carteira é diversificada, haverá produtos adequados para vários objetivos do investidor.
  • Podem ser uma alternativa a longo prazo que complementem ou substituam a aposentadoria.
  • Caso o banco que administra os fundos venha a falir, os ativos serão passados a outra instituição.

Desvantagens dos fundos de investimento:

  • Menor rentabilidade.
  • O aplicador estará limitado a uma quantidade de resgates possíveis por ano, além disso precisará cumprir carência para o primeiro resgate.
  • As taxas cobradas em impostos e considerando as taxas inflacionárias da economia, o custo pode ser alto e inviabilizar a rentabilidade.
  • Pode haver uma taxa de desempenho, quando o indexador for excedido, diminuindo a também a rentabilidade.
  • O gestor escolherá seus investimentos, isso significa menor liberdade de escolha para quem; por exemplo, quer escolher determinados ativos para investir.

Fundos de investimento são excelentes para novos investidores

Se você é o tipo de investidor que tem um certo patrimônio, mas não sabe como gerir ou escolher seus investimentos, pode ser uma ótima opção. Há uma carteira de ativos que é composta por diferentes tipos de investimentos. Assim, também pode ser uma alternativa interessante para quem está iniciando sua empreitada em negócios de investimento.

O risco de enviar dinheiro a um fundo de investimento está mais ligado à estratégia dos investimentos do que a instituição escolhida. Cada fundo possui um CNPJ e conta bancária sob a custódia desse próprio banco. Portanto, os recursos serão enviados à conta de pessoa jurídica na instituição bancária ou corretora.

Cuidado:

O novo investidor deve ficar atento para não realizar depósitos em contas de pessoa física do agente gestor, para não correr o risco de ser fraudado. Principalmente sendo a primeira vez que investe em um fundo. A sua segurança é tão importante quanto a rentabilidade.

Ativos que compõem os fundos de investimento:

Há diferentes classificações de acordo com as políticas de investimentos determinadas nos regulamentos para os cotistas. Aqui, vamos expor as principais usadas no mercado:

  • FIRF: Fundos de Investimento em Renda Fixa, os regulamentos delimitam os investimentos somente em ativos de renda fixa, não em imóveis, ações ou outros tipos.
  • FIC: Fundos de Investimento em Cotas, não há investimento diretamente em ações ou títulos de renda fixa, a compra é feita para cotas de outros fundos.
  • DI: Fundos de investimentos referenciados, há a compra de ativos vinculados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário). O gestor de um DI acompanhará os CDI para avaliação dos investimentos.
  • FIA: Fundos de Investimentos em Ações, determinam investimentos somente em ações.
  • FIM: Fundos de Investimentos Multimercados, possibilitam aplicações em ações e títulos de renda fixa com um índice de indexação máxima previsto.

Em conclusão, essas modalidades de políticas para os fundos foram criadas para focalizar a carteira ao investimento desejado. Além disso, podem ser importantes meios de permitir a transparência para os cotistas.

Entenda os termos usados nas aplicações de fundos de investimentos:

  • Cotas dos fundos de investimento: a cota geralmente representa a porcentagem de ativos que o investidor possui.
  • Liquidez nos fundos de investimento: representa a capacidade para que os ativos sejam convertidos em dinheiro.
  • Resgate dos fundos de investimento: o resgate nada mais é do que a retirada dos fundos pelo cotista. Pode ser parcial ou total e dependerá da política própria ao fundo para permissões.
  • Taxas administrativas: são taxas cobradas para o pessoal da gestão dos investimentos, bem como as instituições financeiras e corretoras que possam estar cuidando administração das cotas.
  • Taxa de performance: é a taxa sobre o desempenho do investimento no mercado, uma porcentagem que será cobrada a mais caso os ganhos excedam a benchmark.

Brasileiros investindo em fundos no exterior

De acordo com o site da revista Exame o investimento de brasileiros no exterior cresceu exponencialmente. Segundo dados da J.P.Morgan Asset Management, os investimentos brasileiros em fundos no exterior chegaram a R$ 10,6 bilhões em agosto de 2017. Considerando que em fevereiro de 2015 a estimativa estava em R$ 6,5 bilhões, constitui-se em um grande aumento. No Congresso de Planejamento Financeiro de 2017, Giuliano de Marchi (responsável pela J.P. Morgan da América Latina) disse que: “Em outubro, esse número já ficou perto de 50 mil cotistas”. O investidor brasileiro procurou opções para enfrentar as crises econômicas pela qual o país passou nos últimos anos. Provavelmente, esse seja o maior motivo para explicar o boom de investimentos em países do exterior onde há economias mais sólidas.

Os fundos ativos no exterior também estão concorrendo com fundos passivos que têm índices de indexação. Isso reduz as taxas e otimiza os lucros, o que atrai investidores que buscam menores custos. Para que o brasileiro possa investir em fundos do exterior, deverá educar-se em relação às diferenças dos índices. Não é possível comparar tudo com o CDI, será preciso considerar outras influências, índices exteriores e flutuações na economia internacional. Os investidores não podem achar que estão comprando um fundo corrigido pelo CDI e depois se assustarem com oscilações econômicas ocorridas nos EUA.

O sistema de condomínio em fundos de investimentos:

As cotas que fazem parte do patrimônio do fundo de investimentos são divididas entre compradores. Esses investidores que compram cotas em fundos de investimentos são chamados de condôminos. As cotas serão divididas diariamente pelo valor do patrimônio total, dessa forma há um sistema parecido com a coletividade dos condomínios. Caso novos investidores queiram entrar e comprar ações no fundo, mais ações serão aplicadas ao fundo. Consequentemente, isso fará o patrimônio crescer, não retirando as cotas dos condôminos que já compraram ações ou títulos.

Como investir em fundos de investimento?

Primeiramente, você deve buscar um fundo que atenda aos seus objetivos. De preferência procure ler sobre o assunto e obter orientações de especialistas. Depois que você escolher a instituição para compra das cotas, verifique quais procedimentos são necessários. Isso quer dizer, a documentação necessária para aprovação de seu cadastro e abertura de conta corrente. As instituições financeiras hoje possuem sistemas muito sofisticados que facilitarão a consulta e a transação das operações. Através de sua conta, será possível compras cotas, verificar as oscilações e resgatar seus fundos. Além disso, será possível ter um certo controle sobre essas cotas através da Internet, com a realização dessas operações através de seu banco online. O processo todo é muito simples, basta decidir-se sobre as melhores opções de fundos de investimento no mercado disponíveis para você.

Conclusão

Assim, fundos de investimentos podem ser alternativas econômicas e rentáveis tanto para investidores iniciantes quanto aos mais experientes. São formas de investimentos com carteira diversificada que podem garantir confiabilidade. Hoje em dia, o sistema financeiro dispõe de recursos que garantem essa segurança. Caso a instituição financeira escolhida venha a fechar, o fundo pode facilmente ser transferido para outra instituição. Isso sem perder qualquer característica, cotas ou ter defasagem de seus ativos.

Imposto de Renda – Passo a Passo

Imposto de Renda - Passo a Passo

Veja um Guia passo a passo sobre o Imposto de Renda

O que é o imposto de renda?

Imposto anual que incide sobre todo cidadão brasileiro ou pessoas no exterior que movimentem rendimentos no Brasil. É um imposto obrigatório que tem uma taxa predefinida de acordo com o governo federal. Além disso, esse imposto é existente em vários países, para pessoa física e jurídica. Tem uma característica universal que influi sobre todo e qualquer rendimento que seja considerado tributável. As informações financeiras anuais do contribuinte serão deduzidas com base em uma tabela do órgão fiscalizador. No caso do Brasil é a Receita Federal.

Inclusive, uma das outras características desse imposto é a progressividade. Assim, alíquotas maiores serão cobradas para rendimentos maiores. Dessa forma quem tiver rendimentos menores também terá que declarar um Imposto de Renda com menor custo incidindo sobre sua renda. Também há um limite de rendimentos mínimos para que o imposto incida sobre o trabalhador. Com isso, caso os rendimentos da pessoa se enquadrem nos padrões de contribuição para o Imposto de Renda, esse será devido.

Meios de declaração do Imposto de Renda

Basicamente, há dois modelos de preenchimento que podem ser declarados de acordo com a quantidade de rendimentos. Bem como de despesas para abatimento do Imposto de Renda. A pessoa que possui mais despesas dedutíveis deve escolher o modelo mais completo. Há um outro modelo simplificado ideal para quem tem poucas despesas para abatimento.

As diferenças entre cada modelo de declaração do Imposto de Renda

Modelo de declaração de Imposto de Renda simples:

  • Ideal para quem tem poucas despesas sobre as quais a dedução recairá.
  • O desconto padrão é de 20% sobre todos os rendimentos tributáveis ao longo do ano.
  • Pode ser usado independente da quantidade de fontes pagadoras.

Modelo de declaração de Imposto de Renda completo:

  • Indicado para pessoas que possuem dependentes. Pois esses representam gastos com saúde ou educação.
  • Todos os gastos devem ser informados, o tempo de cinco anos é usado como base para guardar os recibos pois a Receita Federal pode solicitar comprovação.
  • Se a soma total das deduções exceder R$ 16.754,3, o sistema de recolhimento automaticamente migrará para a forma simplificada.
  • As despesas médicas podem ser deduzidas integralmente.
  • As despesas com educação podem ser deduzidas em até R$ 3.561,50.
  • O recolhimento de INSS com empregado pode ser abatido também em até R$ 1.171,84.
  • Dependentes podem ter um abatimento de até R$ 2.275,08.
  • Planos de previdência privada também podem ter dedução.

O que pode ser tributável no Imposto de Renda:

Atualmente, os cálculos são ajustados de acordo com uma tabela específica para pessoa jurídica caso o imposto incida sobre uma empresa. As pessoas jurídicas são órgãos de governo, sociedades, partidos políticos, empresas e governos. A cada ano é preparada uma declaração ajustada e pode ser paga mensalmente. O cálculo também é feito de forma que o cidadão como pessoa física possa contribuir. As declarações são calculadas de acordo com estimativas sobre a renda tributável anualmente.

Segundo o site do Fisco, a pessoa física deve declarar bens e direitos que tenha no Brasil ou em países do exterior. Os saldos abaixo de 140 reais em contas correntes estão isentos.

Além disso, também são isentos os bens móveis, com exceção de carros e embarcações ou aeronaves com valores abaixo de 5 mil reais. Ações com valores abaixo de mil reais, ativos financeiros ou ouro também não precisam entrar na declaração de imposto de renda.

Como fazer o pagamento do Imposto de Renda?

O contribuinte pode dividir o imposto para ser pago mensalmente com valor mínimo de até 50 reais, divididos em até 8 cotas mensais. Se preferir, o pagamento integral do Imposto de Renda pode ser feito através de transferência eletrônica por meio dos bancos, através do Darf (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) em qualquer agência bancária, além de em débito automático.

Prazos de pagamento do imposto de renda:

O prazo máximo para o pagamento da primeira parcela do imposto de renda de 2018 vai até o dia 29 de abril. As demais parcelas poderão ser pagas até o último dia útil de cada mês, com acréscimo dos juros. As dívidas que sejam menores do que 5 mil reais em 31 de dezembro de de 2017 também não precisam ser declaradas no Imposto de Renda. O pagamento total ou parcial também pode ser antecipado pelo contribuinte totalmente ou parcialmente, tornando desnecessária a Declaração de Ajuste, se esse for o caso.

Em conclusão, em todos os anos o prazo para a declaração é no final de mês de abril. Além disso, os bens e ativos tributáveis estarão sujeitos à declaração em transações feitas até 31 de dezembro do ano anterior.

Declaração do Imposto de Renda pela Internet:

O site da Receita Federal disponibiliza o download do Programa para preenchimento da declaração de Imposto de Renda através do URL: http://idg.receita.fazenda.gov.br/interface/cidadao/irpf/2016/download. Acessando, você também encontrará maiores informações sobre como organizar a documentação necessária. Após baixar o Programa, execute o arquivo para começar a analisar as informações e declarar seu imposto de renda.

Declaração de Imposto de Renda pelo celular:

Além de usar o computador para declarar o imposto de renda, também é possível fazer a declaração através do celular. O Programa de declaração de Imposto de Renda está disponível para dispositivos Android e iOS da Apple. Você também poderá retificar as declarações de Imposto de Renda através do celular.

Para realizar a declaração através do celular

  • Acesse a loja de aplicativos do seu dispositivo.
  • Digite “IRPF” no campo de busca.
  • Baixe o aplicativo e instale.
  • Depois de instalado, preencha os dados necessários.

Igualmente importante é dizer que as declarações online precisam ser feitas com certificado digital, na página do Fisco. Além disso, o serviço disponível para tablets e smartphones chama-se “Meu Imposto de Renda”. Portanto, esteja atento ao buscar o programa, seus dados pessoais serão inseridos e compartilhados.

As declarações de Imposto de Renda feitas em disquetes não serão mais aceitas este ano, considerando-se que a tecnologia está obsoleta. A entrega do documento através de formulários foi extinta já em 2010, assim será necessário fazer a declaração digitalmente.

Quem está obrigado a declarar Imposto de Renda?

A declaração do Imposto de Renda pode ser obrigatória caso você tenha certo limite de renda ou fontes consideradas tributáveis. Dessa forma, esteja atento para declarar corretamente e não cair na malha fina.

  • Pessoas físicas que tiveram rendimentos anuais tributáveis superiores a R$ 24.556,65.
  • Contribuintes que receberam acima de R$ 40.000,00, não tributáveis na fonte ou isentos.
  • A pessoa que obteve receita bruta anual acima de R$ 122.783,25.
  • Quem ficou isento do imposto sobre a venda de algum ganho de capital advindo da venda de imóveis para aplicar em ações.
  • A pessoa que, a partir de 2012, comprou e obteve a posse de bens acima de 300 mil reais.
  • Pessoas que se naturalizaram brasileiros a partir de 2012.

O que é malha fina?

Esse é o “apelido” dado às inconsistências encontradas no processo de verificação das declarações anuais de imposto de renda. Concluindo, a malha fina funciona como uma “peneira”. O sistema da malha fina encontra erros ou tentativas de fraudar a declaração de imposto de renda. Quando porventura, uma declaração cair na “malha fina’ o contribuinte poderá retificá-la. Eventualmente, pode demorar para que sua restituição seja retificada. Você poderá ter problemas com o CPF ou para tirar passaporte, por exemplo. Hoje com a informatização dos processos comerciais e bancários é possível cruzar os dados e encontrar essas inconsistências com mais rapidez e agilidade. Igualmente o processo de retificação se tornou mais rápido e facilitado.

Motivos que fazem uma pessoa cair na “malha fina”:

  • Omissões sobre transações financeiras.
  • Contradições entre as informações enviadas pelo banco e declaradas pela pessoa.
  • Erros durante o preenchimento.

Como evitar cair na malha fina?

  • Evite gastos exagerados com cartões de crédito. Faturas mensais acima de 5 mil reais geralmente sofrem mais riscos de serem analisadas e caírem na malha.
  • Declare imóveis comprados e aluguéis recebidos que sejam passíveis dos tributos do Imposto de Renda.
  • Todos os dados ou operações que envolvam a renda de um contribuinte e o uso dela são cruzados, portanto esteja atento.
  • Guarde ou armazene comprovantes de transações tributáveis por um período de até cinco anos.
  • Esteja atento também aos comprovantes dos gastos com saúde pois os convênios, profissionais de saúde e laboratórios precisam enviar informações à Receita.
  • As informações sempre devem ser consistentes.

Conclusão

Em conclusão, pode-se dizer que uma declaração de Imposto de Renda precisa ser consistente com o cruzamento de dados fornecidos pelas instituições financeiras, bancárias e de saúde. Portanto, tenha cuidado e caso seja preciso, conte com a ajuda de um contador de confiança para a realização de suas declarações anuais de Imposto de Renda. Pois mesmo que os sistemas tenham ficado simplificados com a informatização é sempre bom contar com uma ajuda especializada.

SELIC – Tire Suas Dúvidas

Selic - Tire Suas Dúvidas

Tire suas dúvidas sobre a taxa SELIC

O que é a taxa SELIC?

Simplificando, é a taxa básica de juros da economia brasileira. O termo SELIC é uma sigla que significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Essa taxa é utilizada no mercado interbancário para operações lastreadas em títulos públicos federais e servem para o financiamento de operações com duração diária. Hoje em dia, a taxa SELIC é obtida através de um sistema computadorizado, usado pelo Estado e a cargo do Banco Central do Brasil. A utilização é necessária em função do controle durante a emissão ou a compra e venda de títulos.

Como a taxa SELIC é calculada?

A taxa SELIC é obtida através de uma média ponderada calculada com os juros praticados pelas instituições financeiras. Essa taxa hoje em dia anualmente fica em cerca de 6,5%, porém sempre pode sofrer variações. É importante que o investidor acompanhe a flutuação. Dessa forma, você poderá entender e considerar quais investimentos podem render melhor para você no momento. A consideração da taxa SELIC para seus investimentos pode fazer toda a diferença.

Como a taxa SELIC foi criada?

Houve a necessidade, por parte do governo de obter dinheiro para quitação de suas dívidas e a viabilização de investimentos. A taxa foi concebida em 1999 primeiramente, a legislação posteriormente sofreu alterações. Desde 18 de abril 2002 a taxa Selic sofreu algumas alterações. E em 2017 houve a Circular nº 3.868, de 19 de dezembro de 2017. Essa circular é a que define a taxa atualmente. Originalmente foi publicada pelo Banco Central e atualmente é definida como participante da regulaentação do Copom. O Copom é o atual Comitê de Política Monetária, instituído pelo BC para definir as políticas monetárias do país.

Fórmula de Cálculo da taxa média SELIC:

A taxa de financiamento ajustada para as operações financeiras no país tem a seguinte fórmula no SELIC:

Na fórmula: Lj é o valor diário da j-ésima operação, V-j é o financeiro da j-ésima operação e “n” é o número total de operações de amostra. As amostras também são tiradas com base em um percentual de operações. Excluindo, assim, o que pode ser considerado como operações atípicas. Essas seriam operações incomuns com fatores diários maiores ou menores do que o típico.

A taxa SELIC influencia os seus investimentos?

A resposta é sim, essa taxa hoje é considerada um indicador muito importante para os investidores. Além dos impostos, o governo usa a arrecadação de dinheiro através do Tesouro Nacional. A Secretaria do Tesouro emitirá então, os títulos públicos com o intuito de arrecadar os recursos. A grande maioria dos Títulos do Tesouro é comprada pelos bancos. Além disso todo banco tem a obrigação legal de depositar um percentual de seus depósitos no BC.

O impacto em seus investimentos ocorrerá sobretudo em títulos indexados pela taxa SELIC. Assim, o aumento da taxa SELIC aumentará a sua rentabilidade. É uma lógica bem simples e o título indexado diretamente a essa taxa é o LFT (que é o tesouro SELIC no mundo dos investimentos). O seu investimento, portanto, renderá na mesma proporção da taxa SELIC. Além disso, os investimentos na caderneta de poupança também serão influenciados, além do CDI. Se os títulos privados do banco forem usados como garantia entre empréstimos, a taxa de juros usada será com base no CDI.

É importante considerar que tanto a SELIC quanto o CDI possuem os mesmos valores e são indexados de forma muito semelhante. Dessa forma, se a Selic aumentar o CDI também aumentará e vice-versa.

Relação entre a taxa SELIC e a inflação:

O aumento da taxa SELIC pode fazer a inflação diminuir. É uma relação hipotética porque considera-se que as pessoas consumam mais quando não têm tanto incentivo para fazerem investimentos de renda fixa. Assim, as pessoas podem preferir investir dinheiro em vez de comprar bens e mercadorias de consumo imediato, como carros por exemplo. O aumento da taxa SELIC, então, pode ser usado pelo governo para baixar a inflação fazendo o consumo cair. Consequentemente, isso gerará uma diminuição da procura e aumento da oferta. Como o mercado é uma grande relação entre oferta e procura. Consequentemente, a alta na quantidade de produtos no mercado gerará uma diminuição nos seus preços. A inflação será somente incentivada quando o governo quiser pagar um preço em função do crescimento econômico do país.

É possível ganhar mais em investimentos do que a SELIC?

Há inúmeras outras possibilidades de investimentos que se configuram como opções para uma lucratividade acima da taxa Selic. Bancos que não são estatais podem estar interessados em atrair financiadores e por isso remunerarem mais do que a taxa SELIC.

Investimento que são alvo dessas taxas para atrair investidores:

  • CDB (Certificado de Depósito Bancário): os bancos emitem esse título para poderem se capitalizar.
  • LCA (Letras de Crédito do Agronegócio): emitidas pelas instituições financeiras com o intuito angariar recursos ao setor agrícola.
  • LCI (Letras de Crédito Imobiliário): crédito nominativo que representa promessa de pagamento em dinheiro e tem alta rentabilidade.
  • LC (Letras de Câmbio): títulos de renda fixa oferecidos por sociedades de crédito, investimento e financiamento.

O risco para as operações citadas acima é relativamente baixo em consideração à compra de títulos do governo diretamente. Esses títulos de investimento são muito procurados justamente pela sua alta rentabilidade. Por outro lado, é importante estar atento para o fato de esses títulos de renda fixa serem tributáveis pelo Imposto de Renda. Além disso, pode haver uma carência para a retirada de fundos e os investimentos precisarão ter um montante maior do que os concorrentes no Tesouro Direto.

Os brasileiros estão investindo mais:

O número de brasileiros que estão procurando obter rentabilidade através de investimentos está crescendo nos últimos anos. Com certeza os investimentos de renda fixa são muito interessantes pois podem gerar maior rentabilidade do que os que operam pela taxa Selic. No entanto, para quem busca principalmente a alta rentabilidade, o investimento na Bolsa de Valores continua sendo o mais atraente. O desconto de todos os seus investimentos da inflação será um ótimo indicador para sua rentabilidade. Quando o cálculo é feito com a subtração da inflação ficará claro qual investimento foi mais rentável em determinado período de tempo.

Os incentivos por parte dos governos e dos bancos fizeram os investimentos em geral ficarem mais seguros e com rentabilidade mais alta. Isso chamou a atenção dos brasileiros, fazendo a quantidade de investidores crescer apesar das mudanças políticas, da crise econômica e alta da inflação. Além disso, com a segurança oferecida nas operações de investimento por parte dos bancos e corretoras, essas passaram a ser alternativas muito atrativas para os brasileiros. As opções diversificadas e facilitadas também tornaram possível que o brasileiro se transformasse em um povo mais investidor desde 2016.

Também é importante dizer que qualquer investimento é um risco, mas principalmente os de renda variável. Com sabedoria sobre o mercado financeiro será possível obter uma rentabilidade alta a riscos baixos, com garantias de retorno.

Uma base de cálculo para ficar de olho na sua rentabilidade

A taxa Selic é importante como indicador da rentabilidade para seus investimentos. Mesmo que você não tenha investimentos indexados por essa taxa, saiba que é importante para a economia do país. Através dos seus índices é possível ter uma base de previsão também para os rendimentos. Bem como obter previsões sobre os melhores investimentos. Sempre é importante avaliar o quanto a taxa Selic pode impactar, cotidianamente, os seus investimentos. Esteja sempre atento às tabelas e índices relacionados à ela, principalmente se seus investimentos estiverem diretamente indexados a partir das taxas indicadas. Portanto, avalie sempre seus investimentos tomando em consideração a taxa SELIC. Em conclusão, pode-se dizer que a taxa SELIC é um importante indicador para o mundo dos investimentos. Mesmo quando os ativos e investimentos não são indexados por esse indicador.

Poupança – Guia Completo

Poupança - Guia Completo

Guia completo sobre a Caderneta de Poupança

O que é a Caderneta de Poupança?

Popularmente chamada de poupança, é a forma de investimento que apresenta o mais baixo risco no Brasil. Há regras estabelecidas pelo Governo Federal que regem as políticas ligadas à caderneta de poupança. Considerado o investimento mais tradicional para o brasileiro, são possíveis tanto para pessoas físicas quanto jurídicas. As contas bancárias destinadas à caderneta de poupança são simplesmente chamadas de Conta Poupança. Os valores aplicados nessas contas serão automaticamente aplicados na caderneta de poupança tendo uma liquidez diária e remuneração mensal. As remunerações serão baseadas em taxas predefinidas pelo governo brasileiro através de padrões legalizados. Para pessoas físicas, os rendimentos deixados na caderneta de poupança são isentos de imposto de renda.

História da caderneta de poupança:

As contas poupança foram criadas pelo imperador Dom Pedro II no ano de 1861, quando instituiu a Caixa Econômica Federal e a regulamentou. Na época tinha o objetivo de remunerar os depósitos com juros de 6% anualmente. Esse tipo de investimento, antigamente, era destinado a pessoas de baixa renda, permitindo depósitos de até 50 mil réis. Com o passar do tempo houve novos decretos que adequaram a poupança às mudanças na economia e na sociedade.

A nova poupança concebida em 2012 determina por legislação que os depósitos a partir de 4 de maio de 2012 tenham rendimentos variáveis de acordo com a SELIC. Com essas alterações a caderneta de poupança passou a ser indexada pela taxa da Selic. Além disso, em períodos de alta da Selic a poupança tem um teto de rentabilidade de 0,5% ao mês. Em conclusão, o máximo de rendimento mensal da caderneta de poupança é esse, mesmo se a Selic estiver alta. A rentabilidade anual é calculada em média a 6% ao ano e desde a instituição do plano real, o investimento vem sofrendo quedas. Essas quedas se devem às políticas econômicas instauradas no país para controle inflacionário.

Prós e contras de realizar investimentos na caderneta de poupança:

Popularmente considerada um investimento seguro e a forma mais antiga de investimento no Brasil. Vejamos algumas das vantagens e desvantagens de fazer investimentos em caderneta de poupança:

Vantagens:

  • A liquidez da poupança é diária, portanto ao abrir uma conta poupança você poderá sacar quando quiser.
  • Não há tributos como o Imposto de Renda ou IOF que incidam, a poupança é isenta de impostos.
  • Para abrir uma conta poupança é simples e fácil já que não há taxas cobradas para manutenção de uma conta pelo banco.
  • Se a Selic estiver alta, a sua rentabilidade também será.
  • Rentabilidade anual de cerca de 6% mais os indexadores da economia brasileira.

Desvantagens:

  • Caso o banco quebre, o investidor terá uma garantia de receber no máximo 250 mil reais.
  • A curto prazo não é interessante investir na caderneta de poupança, caso o dinheiro fique menos de 30 dias o banco não pagará os juros.
  • Com as taxas de inflação na economia controladas, a rentabilidade pode ser menor do que a própria inflação. Isso, neutralizará qualquer ganho com o próprio investimento.
  • Apesar de ter alta liquidez, a remuneração estará de fato em sua conta poupança somente uma vez por mês.

Passo a passo para investir na caderneta de poupança:

A pessoa que já tem uma conta corrente no banco, poderá simplesmente fazer a transferência de saldos pelo Internet Banking. Também há a opção de investir através dos caixas eletrônicos disponibilizados nas agências bancárias para depósito. Quem ainda não tiver conta em banco precisará abrir uma caderneta de poupança. Para fazer isso, você precisará comparecer a uma agência bancária com os seguintes documentos em mãos:

  • RG (original e cópia).
  • CPF (original e cópia).
  • Comprovante de residência: uma conta atual que esteja em seu nome e mostre o endereço de envio.
  • Comprovante de renda: os documentos que podem servir de comprovante de renda são a carteira de trabalho assinada, declaração atual de imposto de renda, holetire (que traz informações mais específicas sobre os ganhos) ou o DECORE (que pode ser emitido por um contador).

Pessoas que podem se beneficiar investindo na poupança:

A pessoa que deseja iniciar a realização de investimento mas tem pouco dinheiro, pode pensar nessa opção. Além de ser um investimento sem custo de taxa adicional para início, não exige um valor mínimo para abertura da conta. Também não há necessidade de investimentos contínuos e mensais, o investidor simplesmente pode deixar aquilo que consegue poupar mensalmente na caderneta de poupança. Portanto, independe do valor que consegue poupar a cada mês.

A pessoa que planeja investir um dinheiro a longo prazo para eventuais situações de emergência também pode considerar esse tipo uma opção. Assim, é interessante porque os rendimentos anuais podem ser seguros para quem deseja um investimento a longo prazo. É importante, caso você esteja considerando investir nessa modalidade considerar esses fatores, além da inflação. Pois, a longo prazo, dependendo das taxas inflacionárias em nosso país; será possível perder o dinheiro para a inflação.

Boa para pessoas que buscam aplicações com liquidez diária e resgates parciais sempre que necessário

Essa é uma opção interessante porque no caso de uma eventual necessidade para pessoas com renda variável poderá ser importante. Essa modalidade pode ser considerada uma reserva para eventuais emergências que sempre podem aparecer ao longo da vida.

Sendo assim, a caderneta de poupança não é indicada para investidores e traders que precisem lucrar com seus investimentos, pois as taxas de aplicação apresentam rendimentos menos atrativos. Os investimentos em outras opções disponíveis no mercado podem render mais hoje em dia do que a poupança, mesmo a longo prazo.

Como as leis são diferenciadas para quem possui dinheiro aplicado nas antigas cadernetas de poupança, a possibilidade de rentabilidade é maior. As regras aplicadas são as mesmas da antiga poupança, que trazem maiores vantagens aos investidores antigos. Novos investidores podem se beneficiar mais com outras opções.

Conclusão

A caderneta de poupança foi criada em 1861 para proteger o dinheiro do investidor, garantindo a manutenção do poder de compra. Com as mudanças na economia brasileira, o investimento se tornou mais interessante para aquelas pessoas que procuram garantir alguns recursos a longo prazo. Por mais que seja considerado segura, há uma variedade de possibilidades no mercado de investimentos que tornam a poupança um pouco menos atrativa do que era no passado. Mesmo assim, ainda é a aplicação de renda fixa mais popular no Brasil e constitui-se também no meio de aplicação mais tradicional.

Os percentuais de ganhos obtidos podem perder para a inflação de acordo com as flutuações da economia brasileira. Justamente esse fator tornou o investimento uma opção menos interessante para quem deseja ser trader. O ideal é que o investidor hoje busque uma diversificação de possibilidades de investimento, cobrindo diversas oportunidades. Isso permitirá a diluição de eventuais perdas e a maximização dos lucros vindos de investimentos que tenham boas taxas.

CDI – O Que é

CDI - O que é?

Tudo sobre CDI

O CDI é uma sigla que significa Certificado de Depósito Interbancário e constitui títulos derivados de instituições financeiras. Esses títulos de CDI funcionam como um tipo de empréstimo de 1 dia para que as instituições financeiras se equilibrem. Os bancos em geral precisam encerrar o dia com saldos positivos, se tiverem saques acima dos depósitos correm o risco de fechar o caixa no negativo. Para sanar essa situação, os bancos pegam dinheiro emprestado através de um CDI.

Padrão para o valor do dinheiro:

A taxa média dos CDIs de um dia se transformou em padrão para o valor do dinheiro em qualquer modalidade de empréstimo. Por exemplo, em qualquer empréstimo a fatura devida pode ser calculada através do CDI. Da mesma forma os percentuais do CDI aparecerão na maioria dos investimentos. Assim, o CDI é tratado no mercado como taxa advinda de títulos emprestados pelos bancos a curtíssimo prazo. Portanto, são como certificados dos depósitos necessários do dia. É justamente por isso que têm o nome de Certificado de Depósito Interbancário. Pois são negociados pelas instituições financeiras para sanarem seus fluxos de caixa em eventualidades.

Carteira de investimentos adequada a cada perfil:

Os investimentos com base no CDI são a maior parte das carteiras disponíveis hoje. Porém, apesar da maioria ser calculada com base no CDI nem todo tipo de investimento calculado por este, será ideal para determinado perfil. Como é uma taxa usada para referência em todo tipo de aplicação e operações de crédito no sistema financeiro, faz parte de praticamente todas as carteiras de investimento. Mesmo que sua carteira de investimento não inclua determinada modalidade, é importante lembrar que todo tipo de análise será comparada ao CDI. Por isso é um tipo de benchmark para os investimentos,  a comparação de qualquer fundo de investimento será feita com relação ao CDI.

Rende aplicar em CDIs?

Primeiramente é importante dizer que CDIs se tratam de títulos que possuem lastros do Tesouro Direto. A rentabilidade desses títulos, portanto, flutuará de acordo com a Selic. Quando o dinheiro se torna escasso, o CDI ficará um pouco acima da Selic. Caso o dinheiro fique abundante, o CDI ficará um pouco abaixo da Selic. Como representam uma taxa diária baseada em trocas de volumes de crédito pelos bancos no Brasil, os CDIs são considerados seguros. Também são considerados créditos com juros menores e rendimentos bons, a taxa acumulada do ano de 2016 foi de 14%. Mesmo quando há queda nos juros, a taxa de rendimento dos CDIs é atraente aos investidores brasileiros.

Quais investimentos rendem de acordo com o CDI?

Há uma variedade de investimentos no mercado que rendem de acordo com as taxas do CDI. Além disso ter sua rentabilidade ligada ao CDI significará segurança aos seus investimentos. Vejamos a seguir investimentos que rendem de acordo com o CDI:

  • O CDB que é o Certificado de Depósito Bancário. Há diversos títulos CDB que são atrelados ao CDI. A rentabilidade desses investimentos aumentará de acordo com o tempo, quanto mais tempo mais rentável.
  • LCI ou Letras de Crédito Imobiliário, além de serem indexadas pelo CDI, não são passíveis de Imposto de Renda. A rentabilidade também aumentará conforme o tempo de investimento.
  • LC ou Letras de Câmbio, são títulos emitidos por uma financeira e também estão atrelados ao CDB.
  • LCA (Letras de Crédito do Agronegócio) obedecem à mesmas regras das LCI, porém o investimento será na área da agropecuária. Também estão isentas de Imposto de Renda.

Calcule o rendimento do CDI:

Esse tipo de rendimento é fácil de calcular, bastando usar a calculadora do cidadão oferecida pelo Banco Central. Verifique a rentabilidade através dessa calculadora, considerando as características específicas ao seu rendimento. Uma dica importante ao investidor é a de conferir não somente a valorização prometida, confira quais impostos governamentais e administrativos incorrerão. Isso será importante para garantir lucros reais em seus investimentos e lhe ajudará a decidir o que é mais rentável.

A calculadora do cidadão pode ser acessada pelo site do Branco Central: https://www.bcb.gov.br/calculadora/calculadoracidadao.asp. Ao acessar, você poderá simular operações cotidianas com informações hipotéticas ou reais intenções de investimentos. É importante dizer que os custos de instituições financeiras variam, portanto, ao calcular também leve em consideração as taxas específicas de sua corretora como custo. Todos os rendimentos auferidos pelo Imposto de Renda deverão ser considerados, bem como as características específicas de taxação dos seus investimentos.

Relação entre CDI e taxa Selic:

Ambos andam muito próximos, costuma-se dizer que são índices que “andam de mãos dadas”. Isso ocorre porque a CDI depende da taxa Selic. Após a definição da Selic através das instituições governamentais, o CDI será calculado. A meta da taxa Selic é definida pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) periodicamente. O Copom decidirá se os juros serão aumentados ou diminuídos em termos de pagamento de créditos. Os juros podem permanecer no mesmo patamar quando a inflação estiver sob controle, se a inflação estiver em alta os juros subirão. Os juros serão reduzidos somente quando a inflação estiver dentro dos limites estabelecidos como meta.

Como base para comparação podemos analisar as médias de 2016, divulgadas para o CDI e Selic. Enquanto a Selic ficou em uma estimativa de 14,18%, a CDI estava 14% para o ano de 2016. Esses índices são quase iguais, não são? Por isso diz-se que as duas taxas dependem uma da outra. Em primeiro lugar porque o CDI tem a Selic como base, em segundo lugar porque ambos oferecem resultados muitos parecidos de taxas anuais.

Alguns mitos sobre o CDI:

Ao contrário do que muitos pensam, o CDI não é importante somente à renda fixa. Esse índice pode ser usado para qualquer investimento, mesmo em dívidas e contratos cambiais. Além disso, o CDI é apenas uma referência; existem opções de renda fixa ligadas ao CDI que não são consideradas tão rentáveis. Faça todos os cálculos necessários e se informe bastante antes de tomar uma decisão de investimento indexada pelo CDI. Há investimentos de renda variável que consideram o CDI como benchmark do histórico, portanto serve também para esse outro tipo de renda. Todo ativo de renda fixa pode ter volatilidade, então nem sempre são totalmente seguros. Nenhum tipo de investimento garante 100% de segurança. Hoje em dia, com diversos mecanismos para evitar as quedas e controlar oscilações vários tipos de investimento são considerados seguros. Os fundos de investimento também podem usar o CDI como método de comparação mesmo que não se baseiem no índice.

Conclusão:

O CDI como título emitido pelo banco para cumprir com a determinação do Banco Central de fechar o dia com saldo positivo é uma referência. Assim, o CDI pode ser usado como base de cálculo para investimentos que não serão necessariamente indexados por esse índice. Os títulos são emitidos pelos bancos como um “mercado” de troca de caixa. No qual os bancos que têm saldo positivo trocam títulos com os que têm saldo negativo. Ter investimentos que são baseados em CDI pode ser muito seguro e rentável pois esse benchmark é usado por todos os bancos.

E conclusão, pode-se dizer que o CDI é o índice usado em qualquer tipo de investimento, independente de qual seja. Essa é a importância de o investidor saber como calculá-lo e fazer suas próprias previsões de investimentos. Não confie somente em especialistas para a realização de seus investimentos, será importante saber como o mercado financeiro flutua. Seus índices, taxas, mecanismos de flutuação, etc. para que o investidor saiba em que terreno está pisando. Os resultados serão colhidos a longo prazo, é possível ter carteiras de investimentos diversificados todos indexados pelo CDI ou somente usando-o como benchmark.

Quem tomará a decisão final sobre onde colocar o seu dinheiro será você mesmo(a). O CDI servirá para comparar as performances do fundos, por exemplo. Será possível conferir a viabilidade de seus projetos de investimentos; como o fato de abrir um negócio, através do CDI. Portanto, será preciso ter uma boa noção de como usar esse índice e também em quais situações pode ser usado.

Como Economizar Dinheiro

Como Economizar Dinheiro

Como economizar dinheiro

Confira algumas dicas para quem deseja economizar

Você pode ter até tentado economizar dinheiro, mas quando chega no final do mês parece que os gastos são maiores do que os que haviam sido previstos? Economia pode ser complicada quando se tenta começar do zero, sem ter controle financeiro.

Organize-se e controle os gastos

Em primeiro lugar você deverá se organizar. Temos algumas dicas importantes para organizar sua vida financeira:

  • Registre todos os seus gastos.
  • Há planilhas que podem ser encontradas online, aplicativos para smartphones de controle financeiro, etc. Busque o auxílio da tecnologia no controle dos gastos.
  • Guarde as notinhas do cartão de débito/crédito sempre que usar para anotar na planilha.
  • Procure um espaço reservado da sua planilha de controle de gastos para os gastos que são fixos. Por exemplo: aluguel, financiamentos, contas de luz, Internet, etc.
  • Anote qualquer gasto emergencial na planilha de organização.
  • Se você teve gastos desnecessários por impulso verifique as situações em que isso ocorreu.

Procure se organizar de forma a obter um controle de gastos desnecessários. Bem como das compras eventuais, organize-se de forma que tenha sempre uma forma de poupar. Caso esteja gastando mais do que ganha, será necessário fazer uma reprogramação de gastos. Se necessário, eleja prioridades de acordo com as suas possibilidades. Antes de tudo, ache uma forma de colocar no papel os gastos. Uma planilha de controle, um aplicativo, etc. Isso será importante para que você não se esqueça do quanto gastou.

Muitas pessoas ao comprarem com cartão de crédito e débito acabam se esquecendo de coisas que compraram. Assim, no final do mês quando a conta chega, acabam se assustando. Lembram-se de que compraram isso ou aquilo, mas não fizeram o controle dessas compras. Portanto, ter um controle que garanta materialidade para o quanto você gastou é fundamental. Isso ajudará muito na hora em que percebemos que a memória pode falhar. Principalmente quando nos damos conta de gastos feitos por impulso, com roupas e artigos pequenos. Ou seja, com objetos que não sejam essenciais naquele momento.

Repense os seus hábitos

Se há uma parte difícil para quem deseja poupar dinheiro e não sabe por onde começar é a questão dos hábitos. Muitas pessoas que não conseguem controlar gastos se dão conta de que estão com hábitos que impedem a economia. Por exemplo, gastos com idas a restaurantes, hábitos de comprar em locais que têm preços mais altos em mercadorias. Até mesmo a compra de mercadorias mais baratas com qualidade inferior podem fazer que você tenha mais gastos ao ter que comprar o mesmo produto novamente.

Portanto, faça uma lista de hábitos de consumo para ter uma visão mais exata dos itens que estão fazendo seu dinheiro escoar. A seguir há algumas dicas sobre itens que podem gerar gastos desnecessários:

  • Verifique as suas contas de luz e os seus gastos com energia elétrica. A economia de energia elétrica pode ser de grande importância e muitas vezes não nos damos conta. Deixamos TVs, luzes ligadas desnecessariamente, ar-condicionado, etc.
  • Cartão de crédito e cheque especial. As taxas mensais são altas para quem sempre cai no cheque especial ou paga juros do cartão de crédito. Dê preferência para pagar as contas em dinheiro. Isso ajudará muito no controle de gastos e na economia.
  • Você é aquele tipo de pessoa que gasta muito com lazer? Então repense os lugares que frequenta, se são muito caros ou se você anda gastando demais se divertindo. Tente praticar atividades de lazer mais baratas ou gratuitas.
  • Você tem mania de comprar muitas roupas ou de grifes mais caras? Tente gastar menos com roupas ou acessórios, procure itens de qualidade que possam ser usados por mais tempo ou em mais combinações.

Pense em uma fonte de renda extra

Essa dica pode ser uma das mais importantes, não é um conselho para poupar. Porém, uma fonte de renda extra pode ser a solução para acabar com dívidas e um saldo negativo nas finanças pessoais. Pesquise online sobre formas de ganhar uma gana extra através da Internet, as opções são inúmeras. Você pode ganhar dinheiro anunciando serviços online, vendendo artigos para seus amigos nas redes sociais, vendendo produtos em consignação ou até mercadorias de segunda mão. Seja criativo, pesquise muito sobre as fontes de renda extra que sejam interessantes. Será necessário uma sondagem do mercado, procure áreas com as quais você tenha afinidade. Também tipos de trabalho que possam, posteriormente, gerar oportunidades reais de negócios lucrativos.

Outra possibilidade muito interessante é economizar dinheiro e investir em fundos, criptomoedas e em diversas outras opções disponíveis no mercado de especulação. Isso pode ser uma fonte de renda extra importante e você poderá se tornar um futuro investidor. É importante você focalizar sobre uma área somente. Tente expandir suas fontes de renda, mas não saia tentando de tudo. Seja específico ao escolher uma fonte de renda extra.

Crie uma lista de objetivos financeiros

Essa lista de objetivos financeiros consiste em uma relação de determinadas metas que você queira alcançar com suas atitudes de economia. Por exemplo, você poderá colocar objetivos de curto prazo como economizar em energia elétrica 30% do que gasta atualmente. Você pode colocar outras metas também a médio e longo prazo. Como guardar dinheiro para uma viagem ao exterior sem ter que parcelar no cartão. Também para comprar um imóvel ou um carro. Sempre verifique essa lista e compare os seus objetivos com os gastos que você teve mensalmente ou anualmente. Compare as metas com as conquistas alcançadas.

Exemplo:

Você poderá, por exemplo, escrever em uma agenda separada uma data com a definição de metas e objetivos de economia para determinado mês. Se seu objetivo neste mês é economizar 1.000,00 reais, anote como meta mensal. Ao final do mês, faça as contas e verifique se você conseguiu alcançar esse patamar de economia. Caso contrário, verifique em sua planilha de gastos o que está impedindo sua organização financeira. Quais hábitos e gastos estão sendo o motivo de não alcançar a meta. Além disso, o que você poderia fazer para melhorar os resultados.

Tente colocar no papel ou no computador todos os dados necessários para que você possa visualizar sua situação atual. Compare essa situação atual com os seus objetivos e metas, seja muito específico e anote tudo que vier à sua mente. Se você está tentando economizar, será muito importante poder materializar os dados. Isso, através de um meio físico onde poderá visualizar o que ocorre em sua vida financeira. Será possível ter diversas ideias e insights de meios de economizar dinheiro quando você colocar tudo no papel.

O grande segredo para economizar dinheiro

A seguir enumeramos alguns pontos fundamentais para a economia de dinheiro e para equilibrar as suas finanças pessoais:

  1. O mais importante de tudo é a organização pessoal, procure ter consciência de seus hábitos de consumo. Bem como de seus ganhos e gastos.
  2. Materialize suas metas e seu controle financeiro. Use aplicativos, bloquinhos de papel, planilhas de organização; qualquer forma que preferir para listar, escrever, organizar, lembrar e controlar sua vida financeira.
  3. Procure uma fonte de renda extra, há inúmeras opções para trabalho com artesanato, vendas, formas de ganhar dinheiro online, etc.
  4. Uma coisa de extrema importância em crises é buscar soluções criativas para diminuir gastos. Por exemplo, com alimentação e lazer: você pode diminuir a quantidade de gastos que tem com atividades de lazer e economizar optando por ver um filme em casa, em vez de frequentar um restaurante caro todos os finais de semana.
  5. Em momentos de crise financeira a criatividade será uma aliada. Procure se informar sobre novas oportunidades de negócios e investimentos.
  6. Seja menos impulsivo(a) nas suas decisões de compra, ao comprar um produto tente pensar se você realmente necessita naquele momento.
  7. Evite entrar em dívidas que cobrem juros altos, como cartões de crédito e cheque especial. Procure enxugar seus gastos para não precisar entrar nessas modalidades sempre.

10 Aplicativos para Ganhar, Economizar ou Gerenciar Dinheiro

10 Aplicativos para Ganhar, Economizar ou Gerenciar Dinheiro

10 Aplicativos para Ganhar, Economizar ou Gerenciar dinheiro

Se você quer ganhar um dinheiro extra ou está desempregado, é possível usar aplicativos para alavancar a vida financeira. Além disso, há opções de aplicativos para economizar dinheiro e controlar as finanças.

Vamos conhecer algumas opções de aplicativos que podem gerar renda extra. Além de serem opções para quem precisa trabalhar no mercado informal.

Uber

Caso você tenha um carro e carteira de motorista, poderá ganhar dinheiro se tornando motorista desse aplicativo. O Uber é um dos aplicativos mais conhecidos de caronas pagas no mundo. O aplicativo se tornou muito utilizado no Brasil como opção para quem quer alternativas mais baratas de transporte. Para se tornar um motorista Uber basta criar uma conta online com seus dados. Se inscrevendo como motorista através do computador ou de seu smartphone.

Em seguida, será preciso cadastrar sua CNH e verificar as informações para se tornar elegível na plataforma. Fácil e rapidamente você poderá se tornar um motorista de aplicativo e ganhar muito bem.

Então, acesse o site de cadastro para obter mais informações sobre o processo de elegibilidade: https://www.uber.com/pt-BR/drive/. Há também outras opções de aplicativos de carona remunerada. Quem tiver interesse em se tornar um motorista de aplicativo em tempo integral, basta acessar a Playstore da Google e buscar as opções disponíveis.

Freelancer.com

Esse aplicativo está sendo considerado o “Tinder” dos freelancers pois é possível usá-lo através do smartphone. Anteriormente era o famoso Prolancer e sofreu uma migração para o Freelancer.com. Além disso, são mais de 18 mil empresas cadastradas procurando profissionais freelancers através do aplicativo. Diariamente mais de 8.000 projetos são publicados no Freelancer.com, portanto é um dos sites mais conhecidos no mercado mundial. Há a procura por profissionais em diversas categorias, como desenvolvimento, redação, tradução, inserção de dados entre outros.

Além disso, é possível se tornar um profissional qualificado pelos clientes. Enfim, os trabalhos podem ser encaminhados diretamente ao seu smartphone. Acesse a página em português do Prolancer para obter mais informações sobre como instalar o aplicativo. Assim, se inscreva como profissional diretamente no site: www.freelancer.com.

Igualmente interessante, o site dá a possibilidade de exibir um portfólio de trabalhos já realizados. Isso facilita o contato do freelancer com clientes do mundo todo. Além de ajudar na divulgação de seu trabalho na Internet.

Hotmart Pocket

O Hotmart já é uma plataforma conhecida que conecta criadores de conteúdo e produtores de infoprodutos aos divulgadores. Resumidamente, é possível trabalhar nessa plataforma criando conteúdo ou sendo afiliado. Os produtores são os profissionais que escrevem o conteúdo e vendem, por outro lado, os afiliados ficam responsáveis pela divulgação. Afiliados recebem uma porcentagem pelas vendas caso sejam concretizadas após a divulgação online.

O Hotmart Pocket foi desenvolvido para que os produtores de conteúdo e afiliados tivessem sempre à mão a administração de suas contas. Em conclusão, é um aplicativo de celular que pode ser vinculado à sua conta da Hotmart e ótima opção de renda extra. Para saber mais sobre o Hotmart Pocket acesse o site oficial: https://www.hotmart.com/pt/pocket/.

Airbnb

Esse é o aplicativo do site da Airbnb para smartphones. Em síntese, você pode ganhar um dinheiro extra alugando quartos ou imóveis para viajantes do mundo todo. Há um sistema de pontuação e comentários sobre os locais, bem como a respeito dos clientes. A plataforma traz a comodidade da garantia do recebimento, além de prover um sistema de busca por palavras-chave que ajuda o interessado em alugar um lugar para temporada.

Ganhe uma renda extra ou mais clientes através do aplicativo, acesse o link do Airbnb para celular: https://www.airbnb.com.br/mobile. Em outras palavras, basta se cadastrar, ter seu perfil aprovado e começar a fazer negócios com pessoas do mundo todo.

Aplicativos para economizar dinheiro e gerenciar suas finanças

Caso o seu problema seja o controle de gastos e necessidade de economizar dinheiro. Em seguida veremos alguns aplicativos interessantes disponibilizados para esse fim:

Groupon

Talvez seja o mais antigo aplicativo para ofertas e compras coletivas online. Você poderá conseguir de 50 a 70% de descontos nas compras e economizar em todos os tipos de coisas. É considerado o mais confiável também pois tem muitos usuários. Além disso, o anunciante poderá ofertar através do aplicativo do Groupon para empresas. Esse é conhecido como Groupon Empresas, destinado apenas aos anunciantes das ofertas.

Os descontos obtidos através das compras coletivas permitem uma grande economia em diversos produtos oferecidos no mercado. Somando-se a isso, as compras são validadas através de um cupom possível de ser resgatado através de mercadorias. Conheça mais sobre o aplicativo, acesse: https://www.groupon.com.br/?baixeoapp=true&redirect=app. Para anunciar acesse o site para o aplicativo do Groupon Empresas: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.groupon.redemption&hl=pt.

Toshl Finance

É um aplicativo disponível para iOS e Android que monitora e controla os gastos em cartões além de em dinheiro automaticamente. Suas contas podem ser conectadas ao aplicativo e você definirá uma meta de gastos. Através das metas o aplicativo automaticamente monitorará os seus gastos. Também é possível inserir dados manualmente, tornando o controle mais eficaz. A interface gráfica para o usuário é intuitiva e divertida, tornando o controle financeiro uma tarefa mais agradável. Apesar de contar com funções disponíveis somente na versão Pro, a versão gratuita tem diversas funcionalidades que garantem o controle financeiro. Acesse o site oficial do aplicativo: https://toshl.com/pt/ para saber mais.

Wally

É um tipo de planilha online que permite o controle de gastos. Você pode cadastrar diversas despesas e informar o recebimento de rendimentos. Dessa forma, o Wally permite um controle amplo de suas finanças pessoais com opções para diversos tipos de moedas. Posteriormente, com o tempo de uso, o Wally também envia notificações a respeito de gastos que estão para vencer. Saiba mais sobre o aplicativo no site da Google Play: https://play.google.com/store/apps/details?id=me.wally.android.plus&hl=pt.

Guia Bolso

Também é um aplicativo de controle de finanças pessoais. É possível registrar todas as suas contas bancárias, sincronizando-as através do aplicativo, além de controlar seus gastos. Os gastos também recebem uma categorização automática e são transformados em gráficos. Esse aplicativo também permite que você trace metas financeiras e posteriormente avisa o quanto precisa economizar ou quanto você já conseguiu guardar. É possível conseguir empréstimos pessoais com taxas de juros interessantes através do aplicativo, a taxa atualmente está em 1,9% ao mês. Conheça mais sobre o aplicativo Guia Bolso no site da Google Play: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.guiabolso.

Aplicativos para gerenciamento de dinheiro

Money Manager

Esse app permite o gerenciamento de suas aplicações financeiras e otimiza o gerenciamento das finanças pessoais. O aplicativo facilita o controle de ativos. Não somente registrando o que entra em sai de sua conta, é possível identificar depósitos nas contas cadastradas. Além disso, você pode cadastrar dados para transferências automáticas de ativos, tornando sua gestão mais eficiente. Com base em dados inseridos o aplicativo instantaneamente gerará estatísticas sobre sua vida financeira. Acesse mais informações sobre o Money Manager no site da Google Play: https://play.google.com/store/apps/details?id=com.realbyteapps.moneymanagerfree&hl=pt.

Mobills Educação Financeira

Esse aplicativo administra todas as despesas, gastos e ganhos identificados. Está disponível para o sistema operacional Android para smartphones. É um gerenciador financeiro que categoriza o controle, gerando planilhas e gráficos. Consiste em uma das opções mais completas para gerenciamento da vida financeira.

Através desse app você conseguirá obter um extrato mensal separado por categorias, além de dicas financeiras compartilhadas entre os usuários do aplicativo. O controle de cartão de crédito pode ser integrado também permitindo o acesso a seus gastos em tempo real. Acesse mais informações sobre o aplicativo no site da Google Play: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.gerenciadorfinanceiro.controller.

Conclusão

Através de inúmeros aplicativos gratuitos e pagos disponíveis ficou mais fácil gerenciar sua vida financeira. Além disso, seu smartphone poderá fazer dinheiro, sendo instrumento de trabalho. Há aplicativos disponíveis online que integram o freelancer aos clientes em potencial. São formas muito criativas e lucrativas para ganhar o seu dinheiro através de aplicativos. O gerenciamento de sua vida financeira também nunca foi tão fácil, sendo rápida a integração dos dados às suas contas bancárias e cartões.

Previdência Privada – Mitos e Verdades

Previdência Privada - Mitos e Verdades

Conheça Alguns Mitos e Verdades sobre a Previdência Privada

O que é Previdência Privada?

Essa modalidade de previdência pode ser comparada à aposentadoria, porém não está ligada ao INSS. Assim, a previdência privada pode ser paga através de instituições privadas e não as governamentais, mais conhecidas. É uma forma de complementar as garantias que a previdência pública oferece. Nos planos de previdência privada é possível escolher o valor de contribuição, além da periodicidade. Há planos de bancos que possibilitam contribuições mínimas de 100 reais por ano. Após um número escolhido de anos, a pessoa pode escolher fazer uso dessa previdência em proporção de suas contribuições.

O valor investido na previdência privada pode ser resgatado pelo contribuinte caso necessário. Portanto, é uma forma segurança social privada oferecida por entidades credenciadas pela Susep (Superintendência de Seguros Privados). É um tipo de contribuição para aposentadoria contratada do investidor de uma instituição privada. Essa contribuição pode ser recebida posteriormente corrigida por juros e em parcelas. Em consequência, serve como suplementar à aposentadoria pública depois de alguns anos de contribuição. Mas não somente para isso, o resgate dos valores pode ser feito por outros motivos.

Mitos sobre a Previdência Privada

Vejamos a seguir alguns mitos relacionados à Previdência Privada:

  • A previdência privada é um investimento somente para complementar a aposentadoria.

A palavra previdência já traz consigo o conceito de aposentadoria relacionado, porém não é bem assim. Esse não é o único objetivo do investimento de longo prazo. Por exemplo, pais podem abrir um plano de previdência privada para filhos para que resgatem o valor para seus estudos. Muitos pais aderem ao plano de previdência privada pensando em seus filhos, de acordo com Sandro Bonfim  superintendente de produtos da Brasilprev para a revista Exame.

  • Para começar a aplicar é preciso muito dinheiro

Quem acredita nisso deveria repensar a situação, há planos oferecidos por bancos que começam em 25 reais. Como dinheiro investido ao longo de anos o montante crescerá. A longo prazo o valor acumulado será significativo, isso torna o investimento bastante atrativo para quem busca obter bons rendimentos no futuro. A pessoa não precisa colocar sempre a mesma quantidade de dinheiro todo o mês. O valor pode subir ou baixar de acordo com suas necessidades e possibilidades.

  • Um plano de Previdência Privada contratado é uma dívida

Isso é um mito, se você contratar um plano de previdência privada e perder o emprego, será possível resgatar. Você poderá desistir do plano a qualquer momento e resgatar os valores que investiu. Você também poderá fazer um resgate parcial e os valores que continuarem na conta, continuarão rentabilizando. É possível adicionar valores, em qualquer momento, vindos de renda extra. Esses valores renderão juntamente com os valores já contribuídos.

  • Meu investimento terá que ficar na mesma instituição a vida toda

A previdência privada, como investimento a longo prazo, permite a portabilidade total ou parcial de seus rendimentos. A portabilidade deverá ser solicitada à agência administradora, segundo a Fenaprevi. Será possível transferir a sua reserva previdenciária dos recursos investidos a outra empresa caso o cliente deseje. Porém, os planos portados terão que ser da mesma modalidade. Para trocar de modalidade de plano e investir em outra empresa, será necessário resgatar os valores e depois proceder conforme os planos escolhidos.

  • Os planos corporativos são ruins

Também chamados de fundos de pensão, esses planos são oferecidos pelas empresas e costumam ser uma das melhores opções para aposentadoria. A contribuição que a empresa faz a esses fundos é muitas vezes equivalente ao aporte feito pelo funcionário. Isso é muito interessante a longo prazo. Esses planos são oferecidos para os funcionários das empresas patrocinadoras do fundo. Geralmente se o funcionário fizer uma contribuição de 150 reais para o fundo, a mesma quantidade será investida pela empresa. É um luxo para poucos porque são gerenciados pelas mesmas empresas que os operam. Dessa forma, as taxas administrativas também podem ser inferiores às praticadas pelo mercado.

Verdades sobre os planos de Previdência Privada

Agora, vejamos algumas verdades sobre a Previdência Privada

  • O Imposto de Renda é pago somente após a final da aplicação, evitando o temido come-cotas

O Imposto de Renda será retido somente no momento do resgate ou do recebimento da renda em forma de parcelas. Os fundos tradicionais têm uma taxa que é chamada no mercado de come-cotas. O come-cotas nada mais é do que o Imposto de Renda sendo descontado na fonte a cada seis meses. Isso faz com que a lucratividade de muitos investimentos seja diminuída. Porém, com os planos de previdência privada é possível escolher a forma de pagamento do Imposto de Renda e quanto mais tempo de investimento houver, menor será a cota separada para o IR.

  • PGBL em nome de dependentes são menos tributados

A base de cálculo do PGBL passa a levar em conta os descontos para dependentes realizados no Imposto de Renda. O PGBL é o Plano Gerador de Benefícios Livres, ideal para quem usa o modelo completo para declarar Imposto de Renda. Uma coisa deve ser levada em conta, o dependente maior de 16 anos de idade deverá entrar também como contribuinte para a Previdência Social.

É possível investir em mais de um plano de previdência privada

Com certeza, você pode ter mais de um plano de previdência privada em seu próprio nome. É importante também lembrar que as pessoas que optam pelos planos PGBL de previdência privada não devem ultrapassar o limite de 12% da renda bruta. Caso isso aconteça o seu investimento em previdência privada será tributável, sem possibilidade de dedução do IR. É possível que o excedente seja colocado em outro tipo de plano de previdência privada, assim é possível rentabilizar os recursos pagando impostos somente pelos rendimentos.

  • Dá para fazer o resgate do dinheiro investido sempre que você quiser

Sim, nos planos de previdência privada é possível resgatar parte do valor investido ou o total desse. Você também pode suspender a sua aplicação a qualquer momento, resgatando o valor total do investimento. Muitas pessoas pensam que só é possível resgatar o valor total dos investimentos, porém não é verdade. Você poderá deixar uma parte do valor rendendo enquanto resgata parcialmente valores que sejam necessários também a qualquer momento. É importante também estar atento às políticas de contrato dos planos, pois as regras podem variar de acordo com o plano contratado e com a instituição financeira.

  • Há custos além da taxa de administração

Há uma outra taxa além da taxa administrativa que pode incidir sobre seus recursos aplicados em Previdência Privada. É a chamada taxa de carregamento, que tem como objetivo cobrir as despesas administrativas, operacionais e de vendas de planos. Cada instituição que opera o fundo definirá uma política de porcentagem da cobrança dessa taxa, portanto fique atento(a) aos valores e índices que forem passíveis de cobrança. Pois a taxa de administração já estará cobrada nos relatórios de sua reserva previdenciária.

Conclusão

É preciso pesquisar os dados e fatos de acordo com a realidade do mercado de produtos oferecidos pelas instituições. Não confie em preconceitos sobre o assunto, busque informações precisas para decidir o tipo de investimento em Previdência Privada ideal. Procure estar a par das taxas cobradas, dos descontos com imposto, além dos percentuais para isenção. Dentro da perspectiva dos rendimentos, procure alternativas que sejam as mais adequadas às suas possibilidades financeiras. Lembre-se de que é possível ter mais de um fundo de Previdência Privada em seu nome para manter a isenção.

Renda Fixa – Onde Investir

Renda Fixa - Onde Investir

Onde investir na renda fixa

Caso você se interesse em investir em fundos de renda fixa também pode estar considerando onde colocar o seu dinheiro. Quando o investidor compra um título de renda fixa, na verdade está emprestando dinheiro ao emissor. Esse emissor pode ser um banco, o governo ou até uma empresa. A remuneração que o investidor receberá em troca será na forma dos juros ou correção monetária.

Entenda melhor os títulos de renda fixa:

Os títulos de fundos para renda fixa podem ser LCIs, CRIs, LCAs, CRAs, CDBs,Títulos Públicos e Debêntures. A seguir, veremos em mais detalhes cada tipo de fundo de renda fixa disponíveis aos investidores.

Os LCIs

Letras de Crédito Imobiliários são investimentos de renda fixa que financiam projetos no setor imobiliário. Assim, esse tipo de investimento é isento de imposto de renda e conta com até 250 mil de garantia pelo FGV. Em segundo lugar, consiste em um tipo de investimento que requer um perfil de investidor mais conservador. Mesmo assim, é visado em toda a comunidade de investidores como sendo uma boa opção de investimento.

Os CRIs

Consistem em títulos que geram créditos diretos aos investidores que, por sua vez, terão direito a uma remuneração periódica por parte do emissor. Também são destinados a financiar ações do mercado imobiliário, como financiamentos residenciais, construções ou contratos vinculados a aluguéis. Dessa forma, as taxas de juros obtidas são pré-fixadas ou flutuantes. Consequentemente, o investidor deve estar atento às taxas. Isso será fundamental para obter as estimativas de ganhos esperadas com investimentos em CRIs.

As LCAs

São Letras de Crédito dos Agronegócios e serão emitidas pelas instituições financeiras para financiamento do setor agrícola. Simplificando, você estará emprestando dinheiro que será investido em agronegócios. Por sua vez, você receberá o dinheiro emprestado com uma taxa de juros acrescida. Esses títulos podem remunerar o investidor ao mesmo tempo em que fomentam os investimentos no setor agrícola e na agropecuária. Além disso, estão vinculados a empresas de cooperativas e de produtores rurais. São títulos usados na produção de insumos agropecuários e investimentos tecnológicos nesse setor.

Os CRAs

São os Certificados de Recebíveis dos Agronegócios, assim são lastreados em recebíveis. Esses, por sua vez, vêm dos negócios realizados por produtores ruais. As empresas cederão seus recebíveis para uma seguradora que, por sua vez, emitirá os CRAs. Posteriormente à emissão, esses certificados serão disponibilizados no mercado de capitais.

Os CDBs

Os CDBs são títulos de renda fixa de Certificado de Depósito Bancário, emitido pelo banco. Esses certificados servem como uma garantia dos bancos de que o dinheiro investido no financiamento de suas atividades será reembolsado. Dessa forma, os rendimentos são revertidos ao investidor em forma de juros. Assim é analisada sua lucratividade. A rentabilidade dos CDBs é diária e podem variar de acordo com o índice da inflação ou não.

Títulos Públicos

Esse é um tipo de investimento de renda fixa ligado ao Tesouro Direto. Nos investimentos de renda fixa através de títulos públicos o investidor conhecerá as condições de rentabilidade previamente. Porém, não sabe qual será a real lucratividade. O investidor, ao optar por títulos públicos, sabe que seus rendimentos serão indexados pela Selic.

Os Debêntures

São também títulos de renda fixa que implicam em um empréstimo para determinada empresa. Essas empresas não constituem instituições financeiras ou de crédito imobiliário. Isso diferencia os debêntures de outros tipos de títulos de renda fixa. Em suma, são emitidos pela própria empresa. Têm um pouco mais de flexibilidade do que a LCA ou a LCI pois as características desses títulos serão definidas no momento de sua emissão.

As carteiras de investimentos para renda fixa

Os investimentos em renda fixa hoje em dia são considerados tão seguros quanto a poupança. Com a melhoria de serem bem mais rentáveis. O ideal é que você procure a diversificação. Isso significa a busca por uma carteira de investimentos: uma forma de investir em vários tipos de fundos de investimento ao mesmo tempo. Tornando assim seus investimentos à prova de quaisquer flutuações. Isso garante não somente rentabilidade, mas uma boa segurança.

Se um tipo de investimento tem uma rentabilidade que possa não ser tão lucrativa, outro tipo de investimento que tenha essas características compensará. Por isso os investimentos em carteira variada são hoje alternativas interessantes além disso, algumas aplicações estão isentas de Imposto de Renda.

Como montar uma carteira de investimentos

Para montar uma carteira de investimento rentáveis, procure um profissional devidamente qualificado. Dessa forma será possível organizar um portfólio de investimentos com a verificação de resultados reais. Você também terá à sua disposição uma pessoa para lhe aconselhar e que entenderá bem as taxas, flutuações, padrões de indexação que sua impactará sua carteira de investimentos.

Brasil, um excelente país para investidores

Aqueles que procuram investir em renda fixa no Brasil não perderão dinheiro. A lucratividade desses investimentos em renda fixa é fomentada pelos altos juros. Essa alta de juros tornou o Brasil um país atrativo no mercado da especulação financeira, vindo assim desde o plano real. Foi um artifício utilizado pelo governo para controlar a inflação, isso fez com que os juros de empréstimos aumentassem muito. Consequentemente, os investidores acabaram se beneficiando pois poderiam obter bons rendimentos através da compra de títulos e ações no mercado financeiros. Por isso, pode-se considerar o investimento em títulos de renda fixa um excelente negócio no Brasil.

E a crise econômica?

O atual período de recessão econômica, por causa da crise política no Brasil, fez a taxa de juros retroceder. Isso não impede o investidor de lucrar com títulos de renda fixa. Apesar de não chegar mais ao patamar de 7% ao mês quando o plano real foi criado, a diversificação da carteira de investimentos pode garantir retornos interessantes.

Títulos isentos de Imposto de Renda

Um foco muito interessante aos investidores, são os fundos de renda fixas que estão isentos de Imposto de Renda. Isso faz, consequentemente, a compensação entre os patamares baixos dos juros atuais e as expectativas dos investidores. Ativos que também possam garantir mobilidade são os mais recomendáveis de acordo com a conjuntura atual.

Os títulos LCIs, as LCAs, CRIs e CRAs, bem como os Debêntures são isentos de Imposto de Renda. Com isso, essas modalidades de investimentos se tornam mais atraentes, possibilitando ganhos que não tenham anualmente ou semestralmente o Imposto de Renda descontado.

É importante dizer que as taxas de investimentos em renda fixa que estão isentos de IR são menores. Tornando assim esses títulos mais atraentes a investidores que buscam uma rentabilidade não tão alta porém maior segurança. São investidores com perfil mais conservador, que não buscam tanto as aplicações do mercado acionário.

Uma carteira ideal de renda fixa para investir?

É possível comprar pacotes sugeridos pelas agências e instituições para investimentos. Nas corretoras há opções de carteiras que são sugeridas com base em estimativas mensais e anuais. Essa é a maior tendência no mercado de investimentos para especulação. Dois fatores são procurados nesse tipo de opção:

  • A diversificação da carteira de investimentos em renda fixa traz segurança porque no caso de haver quedas por um tipo de título, haverá compensações por outros.
  • Diversificar também aumenta a rentabilidade, é possível investir numa grande quantidade de títulos com taxas de lucratividade altas.

É a segurança conciliada aos ganhos, perfeito para quem deseja iniciar e também para investidores mais experientes que desejam diversificar ainda mais as suas opções.

Prazos

Os prazos para obter rentabilidade em investimentos com títulos de renda fixa é de no mínimo um ano, dependendo da modalidade será interessante consultar o seu agente para analisar o caso. CDBs de bancos médios e pequenos costumam ser rentáveis para aplicações a curto prazo (de um ano), já aplicações no tesouro são ideais para investidores que procuram obter lucro a longo prazo (geralmente três anos).

Conclusão

Mesmo hoje, com todas as características atuais da economia brasileira investimentos em títulos de renda fixa são muito atrativos para os brasileiros. Apesar de não terem rentabilidades estratosféricas como as de investimentos mais arriscados, são seguros e considerados rentáveis a partir do médio prazo. Esses investimentos têm boas rentabilidades com baixo risco, podendo ser considerados uma forma de lucro interessante, sem prejuízos.

Investir em Ações – Guia Completo

Investir em Ações - Guia Completo
Investir em Ações – Guia Completo

Investir em Ações – Guia Completo

Caso você seja um investidor iniciante ou esteja pensando em começar a investir em ações da bolsa de valores, mas não sabe por onde começar. Neste artigo, entenda o que é bolsa de valores, o que são dividendos e como investir em ações. Além disso, saiba como viver da renda de ações da Bolsa de Valores. Entenda como funciona a engrenagem por trás daquilo que parece mágica e como os brokers (investidores) mais experientes pensam.

O brasileiro passou a se interessar mais por investimentos nas últimas décadas. Após o Plano Real (de 1994) e o consequente rebaixamento da taxa de juros. As alterações na economia brasileira fizeram o investimento em poupança ter um retorno menor. Junte esses fatos às mudanças atuais no mercado internacional. Se você quiser investir em uma poupança, há o risco de seu capital não crescer. Na verdade, você poderá perder dinheiro para a inflação. Muitos estudiosos da economia também consideram que o sistema de previdência pública está praticamente falido. Isso consequentemente levou muitas pessoas a procurarem investimentos que garantam sua qualidade de vida no futuro. Como a economia no Brasil mudou, o padrão de pensamento dos investidores também mudou. As pessoas hoje querem planejar melhor o seu futuro. Elas tentam entender o mercado de ações para poderem investir seu dinheiro da forma mais correta.

Entenda o que são ações da bolsa de valores:

As ações são pequenas partes disponibilizadas por uma empresa quando essa “abre” o seu capital aos investidores para obterem financiamento. Os preços dessas ações variarão de acordo com as leis do mercado de ações. Esse igualmente considera a demanda, o desempenho da empresa e, em grande parte, reflete o entendimento dos próprios investidores. Enfim, o investidor quando adquire ações de uma empresa se torna sócio dessa.

Dessa forma, as ações podem ser classificadas em dois tipos principais:

  • Ações ordinárias:

São ações que permitem o acesso aos lucros da empresa e também permitem o voto em assembleias gerais. Em síntese, são ações comuns que permitem o acesso aos dividendos da empresa. Esse tipo de ação também é indicada ao investidor que deseja auxiliar nas decisões e rumos que a empresa escolhida tomará. Ações também tendem a valorizar-se muito quando há mudança no controle da empresa. Dessa forma, os acionistas minoritários contam com uma garantia chamada de tag along. Assim, os diretores são obrigados a garantirem um valor de pelo menos 80% do valor pago por lote caso ocorra a venda da empresa.

  • Ações preferenciais:

As ações preferenciais garantem uma vantagem interessante em relação às ações ordinárias. Em caso de falência da empresa, esses sócios terão preferência no recebimentos de valores liquidados. Além disso, sócios com ações preferenciais têm acesso ao recebimento dos dividendos como garantia fixa. Em conclusão, essas ações podem ser consideradas exigíveis e indicam que a empresa pode comprar a parte do acionista por qualquer motivo.

  • Outras classes de ações:

É possível que uma empresa também possa criar outras classes de ações com base em políticas internas. Como o percentual de ações em relação ao poder decisório sobre a empresa, por exemplo.

O que é a bolsa de valores?

A bolsa de valores consiste em um mercado de títulos financeiros traduzido por uma razão entre financiamentos e investimentos. As empresas buscam financiamento e os investidores buscam os dividendos. Esses são obtidos através de atividades comerciais e industriais. Em princípio, a bolsa poderia ser descrita como um grande mercado organizado para a negociação de ações. Com cotas vindas de empresas ou sociedades de capital aberto (públicas ou privadas) e também de valores mobiliários.

Na bolsa de valores ocorre a transação de títulos e valores. Em suma, todo o patrimônio das empresas que são denominadas de “S.A.” (sociedades anônimas de capital aberto) é composto por ações. Essas ações são negociadas na bolsa de valores através de corretoras que detêm títulos com preços definidos. Esses preços variam de acordo com estimativas econômicas englobando diversos fatores. Em outras palavras, representam como as empresas são vistas pelos investidores. As movimentações do mercado são medidas através de índices da bolsa de valores. O preço das ações estará diretamente ligado ao valor de mercado das empresas. Consequentemente, é dessa forma que diversos negócios são realizados.

Como as bolsas de valores surgiram na história:

Na antiguidade havia algumas formas de comércio em portos marítimos, por exemplo, nas culturas gregas e romanas. Bem como em outras civilizações de ascendência árabe e com cultura comercial ancestral. Eram características peculiares que podem ser identificadas como formas de câmbio de moedas e letras de câmbio precedentes às bolsas de valores. Próximas de como são conhecidas hoje, porém a forma internacionalizada de abertura de patrimônio ao mercado surgiu pelos meados do século XV, com a expansão comercial mundial. É interessante dizer que o termo “Bolsa” vem do brasão de um aristocrata belga chamado Van der Burse. Mercadores e comerciantes se reuniam em sua residência para realizarem seus negócios de troca de moedas, letras de câmbio e metais preciosos. Ilustrativamente, o brasão do nome de Burse tinha 3 bolsas desenhadas; foi desse símbolo que o conceito de bolsa de valores surgiu.

O que faz um investidor da bolsa de valores:

Resumidamente o investidor compra ações de boas empresas que estão prosperando no mercado, para fazer parte desses negócios. As empresas distribuem o lucro como dividendos, para os seus sócios e acionistas. Funciona como se houvesse um empréstimo para investimentos em negócios e estrutura por parte das empresas, porém o comprador das ações se torna parte da empresa pois pode participar até de processos de decisão. Além disso, o acionista participa do crescimento dessa empresa no mercado. Basicamente o investidor entrará com uma quantidade de dinheiro que será revertida em uma cota de ações ou lote de ações.

Começar a investir na bolsa de valores:

Para começar a investir na bolsa de valores basta abrir uma conta em banco ou em uma corretora capacitada a intermediar as transações, há também plataformas online para home brokers (pessoas que investem através de seus computadores pessoais) em plataformas que conectam as corretoras e os investidores através da Internet. Também há sistemas informatizados que permitirão que você pesquise informações sobre cotações e obtenha todos os dados necessários para tomar suas decisões financeiras de investimento na bolsa.

Como investir em ações?

É possível investir em ações através da compra direta o que é mais indicado para investidores experientes, ou através de uma corretora. Há algumas opções interessantes para quem deseja começar a investir em ações:

  • Fundos de índices com cotas de ETF: Os Exchange Traded Funds são fundos de investimentos que ficam à disposição para compra e venda. Quando esses fundos são comprados pelo investidor apenas uma parcela das ações do índice de referência são adquiridas. Em consequência, o investimento é diversificado. Esse não fica ligado somente a uma única empresa e também tem valor inicial baixo. Comumente é referido como fundo de aplicação, podendo ser resgatado a qualquer momento.
  • Clubes de investimentos: esses reúnem pessoas que investem ou pretendem investir sem uma personalidade jurídica, configurando-se em uma união de pessoas físicas com o propósito de investirem no mercado de capitais. Há um gestor responsável pela tomada das decisões do grupo. Por ser um tipo de clube com fins lucrativos, caso não haja decisões corretas pode ser uma atividade com alto risco de prejuízos.
  • Fundos de investimentos de ações que são administrados por bancos ou corretoras: Do ponto de vista dos riscos investir nesse tipo de fundo para a aquisição de ações é seguro. Tanto os bancos quanto as corretoras são pessoas jurídicas, o sistema financeiro hoje conta com diversos subterfúgios e proteções ao investidor. Garantindo que caso haja falência da instituição administradora do fundo, esse será passado para outra empresa gestora.

Dica importante:

É importante saber que hoje em dia, o investimento em ações é uma alternativa mais atraente para muitas pessoas que resolvem não investir mais na caderneta de poupança. A segurança que representava o investimento em caderneta de poupança está perdendo para a atratividade do investimento em ações, pois a lucratividade e o retorno podem ser muito superiores.

Valor mínimo para investir em ações:

O valor mínimo para investir em ações é igual a uma ação  por exemplo, se uma ação da Petrobrás estiver sendo negociada por 20 reais. Na prática, para obter uma ação da empresa; será somente necessário ter 20 reais. Porém, há uma taxa de corretagem que as empresas corretoras cobram sempre que houver uma movimentação financeira na compra ou venda de ações. A taxa de corretagem pode ser fixa (independente do valor negociado) ou pode haver a cobrança de corretagem variável (porcentagem sobre o valor negociado). A taxa de corretagem variável sugerida pela Bovespa é de 0,5% sobre o valor do volume de dinheiro negociado.

Taxas de corretagem para investir no mercado de ações:

Para quem quer começar a investir com pouco dinheiro, a taxa de corretagem deve ser levada em consideração. Pois quanto menor o investimento, maior o impacto dessa taxa sobre os investimentos. Esteja atento para não pagar uma taxa abusiva de corretagem caso escolha essa modalidade de investimento. Escolha empresas que trabalhem com taxas que não ultrapassem o valor de 0,5% do valor negociado. Caso contrário, haverá um tempo considerável na recuperação do dinheiro investido.

A atividade de investimento exige estudo, dedicação e esforços. O investidor precisará compreender como o mercado de ações funciona. Há um ciclo em todo o processo, será interessante entender essa engrenagem para tomar as decisões corretas.

Entenda o processo:

A empresa disponibilizará suas ações no mercado através de seu patrimônio estimado, fazendo isso através da Bolsa de Valores. Por sua vez, a bolsa disponibiliza cotas aos investidores e potenciais acionistas.

É uma lógica que à primeira vista parece ser muito simples, porém sabemos que o mercado tem variações que algumas vezes são imprevisíveis (apesar de todos os cálculos e estimativas mercadológicas dos especialistas). As empresas abrem-se ao mercado de ações como uma alternativa mais barata aos empréstimos bancários. Os investidores em ações compram os ativos como uma forma mais lucrativa de ganhar dinheiro em relação à poupança. Por isso, saiba que como investidor, você terá que entender como as engrenagens desse mercado funcionam.

Desde o início você deve estar ciente da quantidade de risco que deseja correr. Além disso, as pessoas pensam que é preciso ter muito dinheiro para conseguirem investir, porém isso não é verdade. Um corretor poderá indicar investimentos que caibam no bolso de cada interessado. Pesquise muito sobre o assunto, o conhecimento e a agilidade para prever altas ou baixas, bem como sobre como manipular seus investimentos será de grande ajuda.

Dicas para obter sucesso como investidor iniciante no mercado de ações:

  • Aprenda a ser um investidor inteligente e a investigar o mercado de ações.
  • Caso você tenha pouco conhecimento sobre as flutuações do mercado procure começar através de uma corretora de confiança.
  • Leia muito sobre o assunto, procure estar sempre em dia através dos noticiários da mídia televisiva, impressa e mídias sociais.
  • Defina seu perfil de investidor, se você tende a ser mais agressivo provavelmente escolherá empresas que não tenham tantos anos de mercado mas estejam crescendo. Se você é um investidor com poucos recursos poderá optar por investimentos considerados mais seguros.
  • O mercado de ações não exige somente capacidade financeira, é necessário sagacidade para a tomada de decisões.
  • Seja inteligente ao investir seu dinheiro. Procure ouvir os melhores especialistas no assunto.
  • Dilua, não invista em uma única empresa.
  • A segurança é importante!
  • Por mais que uma empresa esteja prosperando e em alta, não é possível prever com certeza todas as oscilações do mercado.

Corretoras são opção para quem quer começar a investir em ações:

As corretoras especializadas contam com profissionais qualificados e carteiras de opções para investimento. Além disso, com ações recomendadas baseadas em pesquisas e estudos. Procure levantar informações sobre a corretora que você escolheu e entender os motivos de apresentarem tais investimentos para o seu perfil. Veja as opções dos planos de corretagem e as taxas cobradas.

Os consultores serão seus conselheiros e estarão dispostos a responderem a todas as suas questões. Porém, a decisão final será sua e você terá que entender onde está investindo.

Torne-se um home broker:

Na sociedade informatizada em que vivemos atualmente há uma nova categoria de investidores. Esses fazem parte de uma legião cada vez mais crescente de pessoas. No conforto de suas próprias casas, através de sites confiáveis operados pelas seguradoras e corretoras os home brokers conseguem investir seu dinheiro em ações. Os home-brokers participam dos investimentos utilizando-se da integração entre os sistemas bancários e as corretoras. Assim, compram planos e carteiras de investimentos através de um sistema informatizado. É possível realizar transações em tempo real hoje. Além disso, é importante saber que essa modalidade também beneficia os investidores iniciantes e minoritários. Esse é um novo padrão que se estende também à categoria dos investidores nas bolsas de valores e mercados de ações.

Indicação para investidores iniciantes:

Para quem nunca investiu em ações e não entende muito bem como funciona esse mercado, a recomendação dos especialistas é que essa pessoa inicie com investimentos no Tesouro Direto. Porquanto, esses são os títulos públicos abertos pelo Governo para a compra. É uma forma considerada fácil, simples e de baixo risco. Posteriormente, quando o investidor começar a obter sucesso como broker e a investir de forma diversificada em diversos tipos de ações colocadas no mercado, a rentabilidade será maior.

É possível viver somente de investimento em ações?

Será necessário um tempo de investimento para que você se posicione no mercado de ações para viver assim. Há pessoas que são simples investidores da bolsa porque querem participar de negócios que prosperam. Também há os especuladores da bolsa que trabalham com a oscilação de preço para poderem obter dinheiro do mercado. Ambos os perfis de investidores são importantes para os negócios das empresas com capital aberto.

Consequentemente, o investidor pode viver da renda dos dividendos que sua carteira de investimentos proporciona. Porém, será preciso um patrimônio relativamente grande. O pagamento dos dividendos varia de acordo com a empresa. Algumas fazem os pagamentos mensalmente, outras trimestralmente e até mesmo anualmente.

Exemplo:

Suponhamos que um investidor tenha 500 mil em uma empresa rendendo o pagamento de dividendos anual de 10%. Essa empresa pagará 50 mil de lucro anual para o investidor. E se fizermos as contas de um faturamento mensal? Haverá um resultado de cerca de 4.166,00 por mês. Portanto, quanto maior for o seu patrimônio na empresa maiores serão seus lucros. É uma questão de matemática básica. Então, o grande segredo para viver de renda seria o de construir um patrimônio grande. Para que, depois, você possa viver dos dividendos obtidos com seus investimentos.

8 dicas definitivas para quem quer começar a investir na bolsa:

  • Acima de tudo, não se esqueça de ficar sempre informado(a) sobre as empresas que estejam prosperando.
  • Procure informações atualizadas sobre os índices nas maiores bolsas do mundo.
  • Se você estiver começando com investimentos mais baixos, procure taxas de corretagem menores e empresas que estejam em alta.
  • Empresas governamentais e fundos bancários ainda são considerados mais seguros para investidores iniciantes.
  • Procure uma corretora de confiança, busque informações sobre a empresa de corretagem pela qual você se interessou.
  • Há opções de investimento online com taxas iniciais relativamente baixas para que você aprenda como o mercado flutua.
  • Se você tiver uma quantidade considerável de dinheiro para investir, procure diversificar. Crie ou escolha uma carteira de investimentos.
  • Para ter um bom retorno é preciso pensar a longo prazo, assim você poderá ter até uma boa renda vitalícia.

10 Dicas de Livros Sobre Inteligência Financeira

10 Dicas de Livros Sobre Inteligência Financeira

10 Dicas de Livros sobre Inteligência Financeira

Aprender a gerenciar suas contas pessoais e a ter controle sobre as transações, bem como de seu patrimônio é fundamental. A inteligência financeira é uma forma de se adaptar à mudanças na economia, Além disso, de usar os recursos disponíveis de capital e bens para gerar mais receita e evitar prejuízos. A seguir, apresentamos 10 livros sobre inteligência financeira que ajudarão a gerenciar suas economias.

Esse livro se tornou um dos favoritos dos investidores, além de best-seller da categoria. É um tipo de “Bíblia” da educação financeira mostrando de forma simples e inovadora a história do próprio autor. Em síntese, o livro mostra a importância de pensar no mercado de investimentos como fonte de renda. Além disso, explica como os juros dos investimentos podem criar riqueza. O livro também propõe uma mudança no paradigma de pensamento das pessoas. Dessa forma, passarão a pensarem como um investidor de sucesso e a gerarem riqueza e lucro, não vivendo somente para pagar as contas.

Sem dúvida é o livro de educação financeira mais famoso do Brasil. Também o mais recomendado pelos especialistas, para quem quer começar na área de investimentos.

O livro também conta com uma série de ensinamentos que mudam os paradigmas da mente para que você possa pensar como um rico. Conta a história do próprio autor e seus fracassos na vida financeira. Além disso, mostra formas de superação através da mudança do pensamento. É um livro importante pois demonstra como ter uma mente financeiramente mais positiva. Além disso, indica até frases positivas que funcionariam como gatilhos de pensamento do tipo: “eu tenho uma mente milionária” ou “eu vou ficar milionário”.

Esse livro também se tornou um best-seller no Brasil, pois traz uma linguagem acessível à maioria das pessoas. Conta com exemplos de como os casais devem proceder para obterem êxito em suas finanças pessoais. Além disso, é uma referência para casais que buscam soluções conjuntas para suas finanças pessoais. Ensina como o casal pode manter o patrimônio e planejar melhor suas finanças.

Através desse livro o autor procura alterar o senso comum sobre como as pessoas enxergam a vida dos milionários. Ao contrário do que muitos pensam, os milionários não vivem uma vida de gastos exacerbados com luxo. A mente milionária pensa em como investir melhor e evitar despesas desnecessárias. O autor chega a mostrar através de entrevistas como o foco dos milionários é na construção de um patrimônio, não em gastos exacerbados com artigos luxuosos.

O professor Lawrence Cunningham selecionou alguns ensaios corporativos muito relevantes para a educação financeira. Esse livro traz várias lições importantes sobre gestão financeira, sobre conhecimentos contábeis e opções de ações. Todos os ensinamentos são baseados nas ideias de um dos maiores investidores de todos os tempos: Warren Buffet. Além disso, aborda os temas da governança corporativa, finanças corporativas, investimentos, ações ordinárias, fundos e as questões tributárias. Em conclusão, reúne ensaios que representam mais de 20 anos de escritos para acionistas da Berkshire Hathaway.

Livro completo de educação financeira, demonstrando que qualquer pessoa pode se beneficiar com isso. Mesmo aquelas pessoas que vivam com um salário baixo podem se tornar investidores. Tudo isso, através de ensinamentos que dosam a disciplina, o planejamento e os riscos a serem tomados. Lendo esse livro você entenderá os motivos para começar a investir e como essa opção pode ser benéfica a longo prazo. Um dos maiores best-sellers do Brasil, com um nome impactante para pessoas que têm dificuldade em poupar dinheiro.

Um dos principais problemas dos investidores atuais é não saberem como alocar seus ativos. Essa é uma questão fundamental para que o investidor consiga alcançar liberdade financeira e rentabilidade. O livro procura auxiliar na definição de estratégias de investimentos com uma linguagem direta e simplificada. Declara que a alocação de ativos pode ser considerada uma forma de proteção do seu capital investido. Conhecimento adequado é poder no mercado de investimentos. Mostra caminhos seguros para investir de forma profissional e também inteligente sem precisar de formação acadêmica na área das finanças. O subtítulo do livro apresenta o tema: “do pânico à euforia”; demonstrando o caminho de superação possível através da educação financeira.

O livro é capaz de ensinar de forma prática e simples como pode-se montar uma carteira de investimentos. Além disso, ensina formas adequadas para manter os investimentos rentáveis. Também mostra que todos podem começar a investir em ações e viverem dos rendimentos proporcionados. Há uma parte que demonstra como escolher uma corretora, de acordo com objetivos pré-determinados. O autor ensina também como acompanhar sua carteira de investimentos em ações para proteger seus lucros e evitar perdas com a inflação. É um livro ideal para quem pensa em se tornar investidor em tempo integral. Mostra como os investimentos podem se tornar uma alternativa sólida estratégica produzindo resultados práticos.

O mesmo autor de Pai Rico, Pai Pobre apresenta outra grande obra de educação financeira. Nesse seu segundo best-seller, o autor mostra que qualquer pessoa pode alcançar a tão sonhada independência financeira. Isso, independentemente de qual patamar se encontra; mesmo estando endividado. É um livro muito importante e pode ser lido posteriormente à obra do mesmo autor: Pai Rico, Pai Pobre. Apresenta opções inovadoras bem como direções para um futuro financeiro melhor. A meta dos ensinamentos é ajudar o leitor a encontrar um caminho idea para suas escolhas econômicas em um mundo constantemente mudando.

Esse livro foi publicado em 2004 e traz ensinamentos importantes que podem mudar a forma que o leitor pensa em investimentos. Também procura mudar os paradigmas na mente do leitor para que você possa transformar a sua vida financeira. Conta com 12 ensinamentos maiores e 16 menores discutindo sobre os riscos a serem corridos, padrões de pensamento, esperança e intuição voltada para negócios. Os axiomas discutidos no livro são apresentados para dar ao leitor respostas a dúvidas com as quais esse possa se confrontar. Podem surgir diversos tipos de situações durante a vida e numa carreira de investimentos no mercado financeiro, para isso o autor propões essas possibilidades.É escrito de forma a cobrir todas as situações possíveis e discuti-las.

Conclusão

A importância da leitura para a educação financeira é primordial. Independentemente do patamar em que você esteja, mesmo que estiver somente pensando em investir. As dificuldades em poupar dinheiro, como tomar decisões financeiras mais adequadas, etc. Tudo isso contribuirá para que você otimize seus investimentos. Em todos os livros indicados discute-se a necessidade de uma mudança de mentalidade, de o brasileiro aprender a correr riscos e a poupar melhor.

Através da educação financeira, você conseguirá identificar os segredos das mentes milionárias e como os melhores investidores do mercado pensam.

Os livros são importantes fontes de conhecimento e na educação financeira é essencial tomar decisões bem-sucedidas. Caso você esteja pensando em como economizar dinheiro, investir ou pensar como um empresário de sucesso. Os livros sobre educação financeira são de extrema importância porque ajudam a pautar decisões, a mudar a mente das pessoas e a quebrar preconceitos. Ideias pré-concebidas podem ser barreiras para o sucesso.

Tudo Sobre FGTS

Tudo Sobre FGTS

Tudo sobre o FGTS

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço foi criado em 1966. Atualmente esse fundo é regido pela Lei 8.036, de 11 de maio de 1990, sendo administrado por um conselho de curadoria. O agente operador do FGTS é a Caixa Econômica Federal que centraliza e controla todas as contas vinculadas a ele. A representação do fundo é constituída por pessoas que integram representantes dos trabalhadores e os dos empregadores. Além disso, é fiscalizado pelo Ministério do Trabalho.

O objetivo da criação desse fundo foi o de proteger empregados que fossem demitidos sem justa causa. Uma conta vinculada ao contrato de trabalho é aberta para que haja depósitos nas contas vinculadas da Caixa Econômica Federal. O valor correspondente aos depósitos mensais é o de 8% do salário do trabalhador.

O sistema da Era Vargas previa dez anos para que o trabalhador conseguisse estabilidade. Isso significa que após dez anos de trabalho, o empregado não poderia ser demitido sem justa causa ou teria direito a uma indenização. Antes desses dez anos de tempo de serviço, caso fosse demitido com mais de um ano de tempo de serviço também tinham direito a uma indenização. Posteriormente, a estabilidade a cada dez anos foi considerada onerosa por parte das empresas. O governo verificou que as empresas procuravam evitar a conclusão dos dez anos consecutivos em uma empresa. Isso motivou a gestão do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço aos trabalhadores através do regime de FGTS atual, desde 1990.

Assim, o fundo é abastecido pelos próprios empregadores com o depósito de 8% dos salários. Os recursos administrados no FGTS têm juros e correção monetária baixos. Originalmente serviam para financiar empreendimentos habitacionais voltados à classe trabalhadora, além de saneamento básico.

O rendimento do FGTS atualmente

Resumidamente, os rendimentos são regulamentados pela lei nº 8.036 de 11 de maio de 1990, além disso são corrigidos todo dia 10 de cada mês. Dessa forma, a base de cálculo para a atualização dos saldos e da capitalização é a da poupança e chega a cerca de 3% ao ano. A princípio, com a inflação em alta, os rendimentos não eram capazes de superar a taxa causando uma desvantagem nos ganhos reais. Porém quando a inflação está em baixa, pode-se obter um rendimento básico do fundo. Sendo esse igual à média anual da porcentagem dos rendimentos menos o valor da inflação. Caso o saldo seja positivo, considera-se que houve de fato um rendimento que supera a alta de preços.

Consequentemente, nos últimos anos, com a recessão econômica e alta nos preços não há real perspectiva de ganhos. Em suma, em 2017 o Conselho do FGTS divulgou dados de que os rendimentos não eram mais tão promissores. O ganho real foi de 0,55% em cálculos para 2018 de acordo com o conselho Curador do FGTS. Assim, a perspectiva é a de que se a taxa Selic estiver muito baixa, o otimismo deve ser deixado de lado. A taxa de juros da economia estando em baixa, pode forçar a rentabilidade do FGTS a continuar em 3%. Definitivamente podendo ser mais baixa do que a inflação anual, o que não gera ganhos reais.

Por outro lado, o FGTS não é considerado um sistema de ganhos do trabalhador e sim um tipo de poupança. Portanto, essa função dos juros visa somente repor as perdas causadas pela inflação, não fomentar uma lucratividade com investimentos. Similarmente, os juros são baixos e geralmente não ultrapassam muito as médias inflacionárias do país.

Como consultar o saldo do FGTS

Consulte o saldo do FGTS pelo smartphone

É possível consultar o seu saldo do FGTS através da Internet pelo aplicativo FGTS. Esse aplicativo está disponível na loja da Google Play em versões para Android e iOS. A página oficial do governo sobre o FGTS mostra como usar o aplicativo: http://www.fgts.gov.br/Pages/sou-trabalhador/acompanhe-fgts.aspx. Dessa forma, com o seu número NIS (PIS/PASEP) você poderá cadastrar uma senha de usuário para acessar informações de contas de FGTS vinculadas ao seu nome. Além disso, pode-se realizar atualizações de endereço e verificar pontos de atendimento mais próximos a você.

Receba seu saldo do FGTS por SMS

Além da alternativa de obter dados sobre seu saldo através do aplicativo disponível na Google Play, você pode receber mensagens SMS. Em consequência da adesão ao serviço de recebimento de saldo através do SMS você deixará de receber o extrato bimestral em casa através dos correios. A ideia é a redução do consumo de papel em função da preservação do meio ambiente. Um extrato anual de sua conta do FGTS será enviado para sua casa. O extrato anual que o trabalhador receberá em casa impresso será composto de informações consolidadas durante 1 ano.

Extrato completo através da Internet

Mediante suas informações de NIS(PIS/PASEP) e com a senha de login cadastrada  a “Senha Cidadão”, é possível acompanhar o extrato completo. O serviço apresentará dados mais detalhados sobre a movimentação e rendimentos da conta, bem como de lançamentos dos últimos seis meses. Em suma, no extrato completo será possível consultar todas as contas vinculadas ao seu número de inscrição PIS/PASEP informado.

Na tela de extrato as seguintes informações estarão disponíveis:

  • Dados de funcionário.
  • Informações relativas ao empregador.
  • A data da última atualização do seu saldo.
  • O saldo atual.
  • Todos os lançamentos, créditos ou débitos nos últimos 6 meses.
  • Lançamentos relativos ao mês corrente.

Acesse o site da consulta de extratos do FGTS da Caixa: https://servicossociais.caixa.gov.br/internet.do?segmento=CIDADAO01&produto=FGTS.

Desvantagens do FGTS

Há muitas críticas feitas ao fundo, sendo a mais comum a reclamação de que o FGTS tem um rendimento bem menor do que o da caderneta de poupança. Isso acontece por causa da taxa de correção que é medida pela TR (Taxa Referencial) e não pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo.

Também há políticas públicas vinculadas às possibilidades de resgate dos fundos do FGTS que não permitem que o trabalhador retire o seu dinheiro para certos fins. Em 2016, o governo brasileiro declarou oficialmente que está estudando a possibilidade de o empregado usar o FGTS para ajudar na quitação de dívidas. Porém, apesar das críticas há algumas perspectivas de mudanças na forma como as permissões de resgates são possibilitadas.

Quem tem direito atualmente a sacar o FGTS?

Quando houver rescisão de contrato de trabalho, é de responsabilidade do próprio trabalhador comunicar isso à Caixa Econômica Federal. Devendo o empregado comparecer em qualquer agência da Caixa a partir do 5º dia útil da data de quitação da multa rescisória. No caso de acordos entre trabalhador e empregador, a rescisão será possível com um saque de 80% do valor disponível em saldo. Em todos os demais casos, a comunicação deve ser feita pelo próprio trabalhador ou seu representante com os documentos exigidos.

O FGTS pode ser sacado na ocorrência dos casos a seguir:

  • Demissão sem justa causa.
  • Rescisão de contrato por acordo em contratações a partir de 11/11/2017.
  • Término do contrato de trabalho em acordos com prazo de validade.
  • Quando o término do contrato de trabalho ocorrer em função da extinção da empresa.
  • Rescisão de contrato por força maior ou culpa recíproca (ambas as partes são responsáveis pela rescisão).
  • Em caso de aposentadoria do trabalhador.
  • Casos de necessidades pessoais urgentes e graves como desastres naturais ou calamidade pública.
  • Falecimento do trabalhador.
  • Suspensão do trabalho avulso.
  • Quando o titular da conta for maior de 70 anos de idade.
  • Caso o trabalhador ou um dependente seu for portador do vírus HIV.
  • Caso o trabalhador ou seu dependente for acometido de alguma neoplasia maligna (câncer).
  • Acometimento de doença em estágio terminal.
  • Em contas sem depósitos por três anos ininterruptos, em regime legal de afastamento até dia 13/07/90.
  • Para amortizar ou liquidar prestações de consórcios imobiliários.
  • Para comprar casa própria, pagamento total ou parcial de financiamento imobiliário.

Acesse o site oficial do FGTS para obter informações sobre os programas de financiamento, legislação e atualizações em geral: http://www.fgts.gov.br/Pages/default.aspx.

Fundos Imobiliários – Guia Completo

Fundos Imobiliários - Guia Completo

Fundos Imobiliários – Guia Completo

O que são fundos imobiliários?

São fundos que compõem os investimentos no setor imobiliário em comunhão de recursos. Os fundos imobiliários geralmente são constituídos por uma instituição administradora, ou seja uma financeira. Assim, as instituições administradoras ficarão responsáveis por constituírem o fundo e realizarem todo o processo de captação de recursos. A captação consiste na venda de cotas direcionadas aos investidores. Os recursos captados através da venda das cotas serão disponibilizados para empresas do setor imobiliário, para fins residenciais ou comerciais.

Condomínio fechado

Os fundos de investimento imobiliário são constituídos sob a forma de condomínio fechado. Isso significa que o investidor não poderá resgatar as suas cotas antes do prazo de duração do fundo. Como a maioria dos fundos são de prazo indeterminado, caso o investidor queira resgatar terá que vender as suas cotas no mercado.

Classificação dos fundos imobiliários

Esses fundos direcionados ao investimento de ativos no setor imobiliário podem ser divididos em duas categorias principais:

  • Fundos de tijolo: são conhecidos como fundos físicos e administram imóveis como shopping centers, prédios de empresas, etc.
  • Fundos de papel: o patrimônio desse tipo de fundo imobiliário está em forma de aplicações financeiras do tipo LCI, LCA, CRI ou CRA.

Portanto, ao investir em um fundo imobiliário você poderá se tornar cotista do patrimônio de um shopping ou grade empresa, como acionista. Por isso, as características desses fundos se dividem em duas, as físicas e as financeiras.

Vantagens em investir em fundos imobiliários

Ao investir em um fundo imobiliário, o cotista poderá se tornar dono parcialmente do negócio sem ter que pagar o valor total da compra do imóvel. Há uma diversificação, também, no mercado de ativos desse tipo de fundo. Por exemplo, é possível investir em diversos tipos de imóveis. Que, por sua vez, são parte do patrimônio de hotéis, shoppings, condomínios residenciais ou de negócios, etc. Assim, as receitas que são geradas a partir dos negócios da empresa serão redistribuídas aos cotistas periodicamente. É como se você fosse realmente dono parcial do negócio. Em seguida, os lucros serão redistribuídos para quem detêm as cotas proporcionalmente.

Outra vantagem é que ao investir em fundos imobiliários a administração do negócio estará a cargo de especialistas. Todo o processo de trâmites de compra e venda, medidas para fazer o negócio crescer etc. não serão tarefa do investidor. Além disso, o preço dos imóveis que fazem parte do patrimônio dos fundos pode aumentar, gerando crescimento para o patrimônio do cotista investidor. Assim, pessoas físicas que investem no fundo estão isentas de Imposto de Renda desde que obedecidas algumas regras pré-estabelecidas.

Como funcionam os fundos de investimentos no mercado?

Geralmente, os fundos de investimento, contam com um gestor especializado. Esse gestor fará o trabalho de acompanhamento do mercado bem como do patrimônio do fundo. Em seguida, em função dos resultados obtidos, realizará a alocação dos recursos necessários aos investimentos para que haja otimização dos investimentos. Por exemplo, grande parte dos fundos atua na área de avaliação de imóveis para locação, verificando quais as possibilidades melhores de investimento.

Em segundo lugar, outra forma que os fundos de investimento obtêm lucros seria com a valorização do patrimônio das empresas beneficiárias. Essa valorização de patrimônio está ligada ao bem imóvel em si. Geralmente os gestores procuram imóveis com potencial de valorização pois não arriscarão perdas. Por exemplo, com estruturas e bens que já estejam supervalorizados.

Os fundos imobiliários de papel são considerados geralmente um pouco mais estáveis. Isso se deve ao fato de que boa parte desses fundos é formada por títulos de renda fixa. Os lucros dos fundos imobiliários de papel têm rendimentos de ativos. Assim, a valorização das cotas estão disponíveis no mercado financeiro de especulação. Há opções de investimentos em fundos imobiliários através de carteiras variadas. Essas podem ser recomendadas pelos especialistas ou sua instituição escolhida para intermediar o investimento.

Compre ativos do fundo imobiliário de investimentos em poucos cliques

Como home broker, será possível comprar ativos de fundos de investimento imobiliários rapidamente. O surgimento dos sistemas integrados e informatizados possibilitou a compra desse tipo de ativos até mesmo através de seu Home Baking. O fundamental para o investidor iniciante em fundos imobiliários é saber como escolher as melhores oportunidades de investimento. Esse tipo de fundo é muito indicado para investidores que buscam viver de renda ou negociarem cotas no mercado financeiro.

O processo de compra de ativo é muito simples. Escolha sua empresa investidora, crie uma conta e selecione a carteira de investimentos mais adequada ao seu perfil. Para conseguir movimentar esse tipo de investimento através de corretora, será preciso se cadastrar e criar uma conta online. Assim, hoje em dia é possível investir em poucos cliques nos fundos de investimentos imobiliários.

As tributações existentes sobre os fundos imobiliários

Diferentemente da renda de aluguéis que sejam recebidos de propriedade direta, os fundos de investimento imobiliário são isentos de Imposto de Renda. Essa isenção incide sobre os investidores que são pessoas físicas, os impostos serão recolhidos somente quando as cotas forem vendidas com valor superior ao da compra. Levando em consideração as alterações no valor do dinheiro. Ou seja, as cotas serão corrigidas de acordo com estimativas econômicas para avaliação dos lucros. Há taxas de corretagem cobradas na realização da ordem da parte do investidor junto à BM&FBovespa. Além disso, há taxas administrativas que são relativamente baixas em comparação com as práticas do mercado.

Há riscos em investir em fundos imobiliários?

Assim como todo investimento sempre há riscos, não há uma fórmula definitiva de sucesso. Porém, deve-se levar em consideração alguns pontos a serem indicados como risco para o investidor:

  • Os problemas de inadimplência de inquilinos, para investidores que compram cotas para patrimônios de locação.
  • Problemas com a liquidez, porque apesar de hoje estarem sendo vendidas com maior facilidade as cotas podem ser mais difíceis de vender. Caso você precise de imediato, poderá perder dinheiro.
  • Variações nos valores de mercado podem fazer seus investimentos perderem valor, da mesma forma que podem se valorizar. Isso significa um risco.
  • Um imóvel que está disponível para aluguel pode passar um tempo desalugado até que seja possível encontrar o próximo inquilino. Esse tipo de risco é chamado no mercado de vacância.
  • Não será possível escolher exatamente o imóvel desejado. O fundo passa por uma comissão gestora que escolhe os caminhos de investimento e toma as decisões.

Como escolher seus investimentos em fundos imobiliários?

Será importante que você faça uma análise minuciosa dos dados das opções de fundos. Verifique os imóveis que façam parte da carteira de investimentos. Os imóveis são considerados atrativos para o mercado sempre que o retorno for superior às taxas de retorno da caderneta de poupança. Portanto, esteja atento aos índices de retorno de outros tipos de investimento de renda fixa para comparar as possibilidades da sua carteira.

Obtenha todas as informações possíveis sobre o setor de investimento em fundos imobiliários. Não dê um tiro no escuro, esse tipo de investimento está diretamente ligado às oscilações da economia brasileira. Você estará investindo em patrimônios de imóveis e estruturais, portanto analise as perspectivas de queda ou crescimento para o setor. Também verifique se o preço do fundo desejado está apropriado para suas expectativas de lucro. Se for preciso, contrate um consultor para lhe ajudar na análise e na escolha da carteira.

Há uma influência direta das oscilações do setor imobiliário na bolsa de valores sobre o valor das cotas. Outro fator a ser considerado é a volatilidade, são investimentos que estão disponíveis na bolsa de valores. Os períodos de recessão econômica geram inadimplência e vacância de inquilinos para os imóveis, consequentemente trazendo possibilidade de prejuízos caso a venda seja necessária.

Conclusão

Em conclusão, pode-se dizer que os fundos de investimento imobiliário são uma boa opção para investidores que desejam se tornar sócios de empreendimentos imobiliários. Possuem uma boa rentabilidade e possibilitam o investimento a partir de montantes relativamente baixos. Com a valorização dos imóveis é possível conseguir resultados lucrativos e um patrimônio aumentado. Como as cotas dependerão do preço de mercado para a venda, pode-se conseguir excelentes resultados ou não. Por isso, a escolha do tipo de investimento deve ser feita de maneira correta, com especialistas gestores que conheçam bem esse mercado. Os maiores bancos do Brasil também oferecem possibilidade de investimentos em carteiras diversificadas que otimizam as possibilidades de lucro e podem garantir maior segurança para seus investimentos.

Bitcoins – Guia Completo

Bitcoins - Guia Completo
Bitcoins – Guia Completo

Um guia completo sobre a criptomoeda Bitcoin

História da moeda Bitcoin:

As Bitcoins são moedas digitais obtidas através de um sistema de troca eletrônica alternativo chamado em inglês de peer-to-peer electronic cash system. A ideia para a criação desse dinheiro virtual surgiu por volta de 2008, em uma lista de discussão de programadores. Bitcoins fazem parte de um sistema bancário livre que não regulamenta a prática da emissão de moedas. A moeda livre Bitcoin é regulada pelas próprias regras do sistema de programação, o que torna inviável a intermediação. Em suma, seria um sistema econômico alternativo que opera na tecnologia P2P (ponto a ponto), portanto não tem uma entidade de administração central.

 Uma moeda virtual criada por uma identidade virtual, Satoshi Nakamoto:

Quando a moeda começou a ser desenvolvida, um suposto programador japonês Satoshi Nakamoto ficou conhecido como o criador do protocolo. Sabe-se hoje que a moeda é atribuída ao australiano Craig Wright. Ele teria revelado à emissora BBC em 2016 que seria o verdadeiro desenvolvedor, junto com Gavin Andresen. Satoshi Nakamoto. Na verdade, é mais provavelmente um codinome para um grupo de desenvolvedores. Em 2011, após Satoshi ter anunciado que teria “partido para novas coisas” nunca mais acessou os fóruns relacionados ao desenvolvimento da criptomoeda. Mesmo assim, Satoshi acabou sendo um personagem emblemático para as Bitcoins e se tornou a centésima milionésima unidade da criptomoeda. Ou seja, um satoshi é a menor unidade de bitcoin possível de ser operada.

Criptografia no lugar de papel ou metal

Bitcoin é uma moeda que usa a criptografia. O termo criptografia é originário do grego e pode ser traduzido como “escrita escondida”. É uma forma de transação de informações que impede que a informação seja lida por alguém não autorizado. Assim, todo o processo de troca da moeda é intermediado por um sistema de código aberto. O protocolo e o código são abertos para serem desenvolvidos. Por outro lado, as informações de transação ficam anônimas em um sistema criptografado. Como resultado, impede a divulgação de dados do comprador e do vendedor.

Coisas que você precisa saber para começar a usar Bitcoins:

  • Como em todas as transações, há regras. Você precisará se informar sobre as regras das comunidades de usuários.
  • O preço é flutuante, é uma moeda volátil então saiba que pode ser um investimento de alto risco.
  • Os pagamentos feitos com Bitcoins são irreversíveis, tome cuidado com quem estiver negociando.
  • As transações são armazenadas publicamente, o que permanecerá anônimo é sua identidade de usuário.
  • Em função da proteção de identidade, os endereços Bitcoin devem ser utilizados somente uma única vez.
  • É possível usar um sistema de detecção de transações não seguras, além disso há possibilidade de confirmação da transação, o que aumenta a segurança.
  • Apesar de não ser uma moeda reconhecida oficialmente, pode haver impostos envolvidos em qualquer transação de compra e venda.
  • Antes de começar a fazer pagamentos em Bitcoins, será preciso escolher uma carteira (que consiste em um aplicativo para smartphone ou computador pessoal).

Como os Bitcoins funcionam na prática?

Não é preciso ter conhecimentos técnicos de computação para conseguir operar Bitcoins. Somente será necessário instalar a carteira de Bitcoins em seu computador ou celular. A carteira gerará seu primeiro endereço e posteriormente será possível criar mais endereços para realizar suas transações. De acordo com a documentação oficial de Nakamoto uma moeda eletrônica é “… uma cadeia de assinaturas digitais. Cada proprietário transfere a moeda ao outro assinando digitalmente um hash da transação anterior e a chave pública do próximo proprietário adicionando esses dados ao final da moeda”.

Mineração de Bitcoins:

O processamento da transação é conhecido como mineração e serve para confirmá-la. Todas as transações começam a ser confirmadas pela rede nos próximos 10 minutos de sua realização. A mineração, na verdade, serve para garantir a segurança da transação, pois impede que usuários possam modificar dados em blocos anteriores, tornando-a inválida. Pode-se concluir que Bitcoins são moedas virtuais desenvolvidas para serem seguras e possibilitarem transações rápidas. O processo de mineração de Bitcoins exige muito do hardware de um computador, não compensando ao usuário individual os gastos com trabalho e energia.

Vale a pena investir em Bitcoins?

Há posições diferenciadas em diversos países do mundo com relação às Bitcoins. As tendências indicam que em um futuro próximo haja uma situação semelhante à que se tem do uso de cartões de crédito. A volatilidade da moeda é grande e como não é regulada por governos, as flutuações são às vezes inesperadas. Há mecanismos de previsão disponíveis com os quais é possível determinar um nível mínimo de valor. Caso abaixe, pode-se vender antes de perder além do esperado.

Fatores a serem levados em conta ao investir em Bitcoins:

  • Apesar da popularização, ainda é um investimento de alto risco, portanto, é possível ganhar muito dinheiro; mas também perder.
  • Se você deseja investir em Bitcoins, faça uma estimativa de no máximo 5% de seu patrimônio para ser destinado a esse fim.
  • A imprevisibilidade e a falta de oficialização da moeda a tornam mais arriscada do que outras opções de investimento.
  • Segundo estimativas oficiais do mercado as nove criptomoedas mais populares do mercado valem mais de 1 bilhão de dólares.
  • É preciso estudar o mercado e conhecer os seus intermediários antes de investir.
  • Apesar do risco de mercado, o Bitcoin é considerado seguro em termos de sistema de criptografia de dados.
  • A rentabilidade é muito alta, com a popularização está sendo possível obter resultados extraordinários com o investimento.
  • Bitcoin apesar de ser um investimento de risco é uma alternativa interessante, se vista com cautela.

Com a popularização vieram as críticas:

As Bitcoins nunca foram tão procuradas pelos investidores desde sua criação. Com essa fama, também vieram as críticas por parte de setores ligados ao sistema bancário. Os executivos do banco JP Morgan chegaram a proferir críticas sérias sobre a utilização dessas moedas. Essa ambiguidade ainda preocupa a comunidade de investidores. O Banco Central do Brasil também lançou alguns alertas sobre o risco de uma bolha no mercado de Bitcoins.

Porém, será que há algum outro motivo para os bancos não encararem bem essa nova tecnologia? Há especialistas em economia que dizem que as críticas, na verdade, são fundamentadas pelo medo. Essa falta de aceitação, na verdade, seria uma resistência à revolução que a tecnologia proporcionou. O especialista em finanças Silvio Crespo fez uma análise dizendo que ” … é um clássico caso de antigas instituições com medo da chegada da revolução digital aos seus negócios”. O surgimento de uma nova tecnologia no mercado acaba amedrontando determinadas empresas. Em consequência, essas passam a reagir com cautela.

Valor determinado pela tecnologia, não banco ou governos:

A tecnologia de block chain determina o valor da moeda através de cálculos computacionais. Assim, não há nenhum país que já consiga regulamentar o uso, a compra ou a venda dessas.

Como comprar bitcoins?

Em primeiro lugar será preciso fazer um cadastro em um site de venda de criptomoedas. No site será preciso cadastrar seus dados pessoais como CPF, e-mail e data de nascimento. A criação da conta é gratuita e você precisará concordar com os termos de uso para poder concluir o processo. Depois do cadastro, será possível ir à página de depósitos e colocar créditos. Há sites considerados mais confiáveis para comprar Bitcoins, portanto fique atento e procure informações sobre a empresa.

Como vender Bitcoins?

As mesmas empresas que funcionam como uma bolsa de Bitcoins também possibilitam que os usuários vendam suas moedas. A lógica é a mesma para qualquer operação que envolva dinheiro, o cuidado. A venda também é feita de forma automática desde que você tenha os créditos, ou seja, tenha Bitcoins disponíveis.

Tenha em mente que:

As flutuações do mercado tornam esse tipo de especulação virtual um tanto arriscada. Esse risco, consequentemente, alia-se às dificuldades com relação ao reconhecimento pela rede bancária mundial.

Tudo Sobre Criptomoedas

,Tudo Sobre Criptomoedas

Tudo sobre as criptomoedas

O que são as criptomoedas?

Uma criptomoeda é uma espécie de dinheiro digital que usa a tecnologia block chain e criptografia. A Bitcoin foi a primeira moeda do tipo, mas desde 2009 diversas criptomoedas foram desenvolvidas. As novas criptomoedas são baseadas no protocolo Ethereum, sistema descentralizado que usa block chain, com uma rede de nós públicos internacionalizada. Portanto, a forma de controle dessas criptomoedas é bem diferente da forma dos bancos centralizados. Os sistemas bancários, como operam com rede centralizada, emitem moedas de forma controlada. Já as criptomoedas são produzidas coletivamente. Todos os usuários podem acessar as informações de transação operadas através de um código aberto de programação.

O ouro digital

As criptomoedas são planejadas para serem raras, de forma a serem mais valorizadas. Há um número máximo de moedas em circulação, o que também evita a hiperinflação. É um sistema planejado de forma a funcionar como o processo de mineração de metais preciosos, como o ouro e a prata. Por isso, o processo de geração das criptomoedas é chamado de mineração. A mineração de uma criptomoeda exige muito de um computador. Há empresas com hardware especializado somente para a realização desse processo, que confirma as transações. Porém, existem criptomoedas novas que usam processos de mineração mais leves e que permitem que um usuário individual faça esse trabalho. Como é o caso da Nióbio Cash, criptomoeda brasileira.

Uma breve história das criptomoedas:

Wei Dai (engenheiro da computação) publicou em 1998 uma sucinta descrição do “Dinheiro B”, um sistema eletrônico porém anônimo de realizar pagamentos. Todas as criptomoedas que começaram a ser desenvolvidas desde então são computadas e criptografadas. Em 2009, foi criada, a tão conhecida Bitcoin pelo usuário Satoshi Nakamoto (anônimo). Em 2011 a Litecoin foi lançada usando scrypt em vez da função hash criptográfica, fazendo a confirmação das transações ficar mais rápida. Desde 2009, muitas outras criptomoedas foram lançadas. O sucesso de cada uma varia de acordo com a inovação técnica que essas proporcionam. Hoje em dia há inúmeras criptomoedas sendo lançadas e comercializadas no mercado especulatório de investimentos.

Caixa eletrônico de criptomoedas:

É uma curiosidade interessante, o fundador do Robocoin (Jordan Kelley) em fevereiro de 2014 lançou um caixa eletrônico para sua criptomoeda. Era um quiosque instalado na cidade de Austin do Texas (EUA), que possuía scanners para a identidade de seus usuários através de suas habilitações ou seus passaportes.

Fraude ou inovação?

O problema da legalidade das criptomoedas varia em cada país. Ao longo do histórico do desenvolvimento das inúmeras criptomoedas, houve reações diferentes por parte de governos e entidades financeiras. Assim, alguns países como a China e Alemanha, restringiram ou baniram o uso legal das criptomoedas. Como são moedas eletrônicas transacionadas com criptografia fica praticamente impossível que os governos ou sistemas bancários tenham tecnologia para controlá-las. Há atualmente cerca de três mil modalidades de criptomoedas ativas circulando na Internet. Isso até poderia abrir espaço para práticas criminosas como a fraude e a lavagem de dinheiro. Porém, há incentivos para que a maioria dos mineradores mantenham o sistema de forma honesta com compensações financeiras. Com certeza, é um sistema que chama a atenção dos investidores, mesmo sendo considerado arriscado.

Principais criptomoedas:

  • Bitcoin (BTC): desenvolvida pelo usuário Statoshi Nakamoto, definitivamente é a mais popular e conhecida atualmente no Brasil.
  • Litecoin (LTC): moeda com protocolo ponto a ponto (P2P), descentralizada e descrita no mercado como a “prata digital”.
  • Ethereum (ETH): permite que o desenvolvedor crie sua própria criptomoeda e banco para emissão de dinheiro digital.
  • Ripple (XPR): criptomoeda que é definitivamente uma das com maior destaque pelo seu grande valor de mercado. Conta com um certo apoio de algumas instituições bancárias.
  • Blackcoin (BLK): também é uma criptomoeda P2P estável e segura. Usa um processo de minting para assegurar sua rede.
  • Dash (DASH): no último ano estima-se que o valor dessa criptomoeda tenha subido mais de 180%, sendo já é considerada a quarta moeda digital do mercado.

Há suposições de que haja cerca de três mil criptomoedas diferentes no mercado atualmente. Outros exemplos são: DigitalNote, Mastercoin, Namecoin, Nxt, Peercoin, Emercoin, E-coins, Zerocoin, etc.

Criptomoeda brasileira:

Lançada em 2017, a Nióbio Cash (NBR) é uma criptomoeda genuinamente brasileira. São somente 336 milhões de unidades mineradas, oferecendo transações irrastreáveis e anônimas criptografadas. Ao contrário de outras criptomoedas mais antigas, a mineração é facilitada, podendo até mesmo ser feita com um computador de baixo desempenho. Então, já é possível se tornar minerador de uma criptomoeda legitimamente brasileira e que conta com um tempo de confirmação de em média 3 minutos.

Investir em criptomoedas:

Há oportunidades de compra em diversos sites da Internet. O ano de 2018 pode ser considerado como o ano das criptomoedas, afinal nunca foram tão discutidas em todos os meios de comunicação. O interesse dos investidores também nunca esteve tão em alta. Apesar de o investimento ser considerado de alto risco, as possibilidades de ganho com a especulação são muito boas. Portanto, esteja atento sobre as oscilações e estimativas, sobre as altas e as quedas da moeda. Caso você esteja decidido a investir, considere comprar uma quantidade segura que não incorra em perdas excessivas caso haja alguma queda ou proibição. Sobretudo, saiba que uma tecnologia desenvolvida com algoritmos tão poderosos pode ter vindo para ficar. Afinal, a evolução tecnológica não comporta um retrocesso somente a evolução dos sistemas e processos. Assim, mesmo que não seja oficialmente reconhecida, você pode considerar investir nas criptomoedas para o seu futuro.

Ficar rico com criptomoedas:

Nos últimos meses de 2017 e adiante, houve um tipo de boom de criptomoedas. As Bitcoins tiveram uma supervalorização nos últimos 2 meses de 2017 de cerca de 400%. A popularização muito provavelmente gerou essa alta, uma grande demanda por causa do interesse das pessoas nessa tecnologia. Como resultado, os investidores nas criptomoedas tiveram um aumento de patrimônio considerável. É preciso considerar algumas questões:

  • Criptomoedas são ativos virtuais, nem sempre reconhecidas por bancos. Portanto, você poderá ter problemas para converter seus valores em dinheiro real.
  • O volume de transações subiu, bem como o preço. Isso é excelente, porém a block chain pode ficar congestionada.
  • Para transferir criptomoedas, você terá que fazer a transação através de um sistema que aceite a moeda virtual na qual você investiu.
  • Estude muito sobre o assunto e procure tutoriais sobre como converter suas criptomoedas em dinheiro, caso seja necessário.
  • Essas moedas virtuais foram pensadas e criadas param permanecerem valorizadas e isso é uma grande vantagem.
  • Milionários e bilionários do mundo todo estão investindo nas criptomoedas como reserva de valor.
  • Não fique preso ao investimento na Bitcoin, procure altcoins em alta, como as outras criptomoedas citadas acima.
  • Como resultado de um investimento relativamente baixo, em pouco tempo você poderá ter uma pequena fortuna.
  • Procure informações sobre start-ups relacionadas às criptomoedas, elas estão sendo alvos de grandes investimentos.
  • A partir de agora podemos somente vislumbrar um possível grande futuro para esse tipo de tecnologia.
  • Esta pode ser a mais nova revolução tecnológica que mudará a forma como as transações financeiras são feitas.

Tecnologias que revolucionam chegam para ficar

Em conclusão, pode-se considerar que as criptomoedas são investimentos atrativos. As tecnologias das novas criptomoedas são ainda mais avançadas em termos de velocidade e segurança. Além disso, mesmo que não passem por um controle bancário; estão despertando o interesse de investidores e empresas. Apesar de haver grande resistência por parte dos sistemas oficiais, vagarosamente a tecnologia está sendo considerada segura. Dessa maneira, por mais que o boom seja relacionado a uma popularidade causada pela viralização das criptomoedas na Internet, a tendência é a de que haja uma oficialização. Igualmente, as oscilações de mercado refletem essa dúvida em relação à aceitação oficial ou não.

Assim, apesar de ser algo muito novo; os protocolos estão disponíveis desde 2009. Indubitavelmente é uma alternativa a ser considerada caso você queira investir parte de seu patrimônio para obter lucros mais altos com especulação. Mas tome cuidado, invista uma quantidade que não causará prejuízos caso ocorra algum problema com as oscilações da sua criptomoeda escolhida.