Tesouro Direto – Guia Completo

por | 6 de abril de 2018

Tesouro Direito - Guia Completo

Tudo o que você precisa saber para investir no Tesouro Direto

O que é o Tesouro Direto?

É um programa apresentado em 2002 pelo Tesouro Nacional concebido para democratizar o acesso aos títulos públicos. Dessa forma qualquer pessoa física poderia investir diretamente começando com apenas 30 reais. Anteriormente a esse programa, as pessoas físicas somente conseguiriam investir através de fundos de renda fixa, indiretamente. O Tesouro Direto, além de ser uma opção de investimento com boa rentabilidade, é considerado seguro. Em suma, o Tesouro Direto é considerado o investimento mais econômico e seguro para quem deseja boa liquidez. Essa modalidade oferece títulos com tipos de rentabilidade diferentes, ligados à variação da taxa de juros (Selic) e da inflação.

Vantagens em investir no Tesouro Direto:

  • O tesouro direto consiste em ativos que são considerados os mais seguros do mercado.
  • Como são de titularidade do comprador, caso você queria mudar de instituição financeira será possível sem arriscar sua aplicação.
  • As informações sobre seu investimento estarão ligadas ao seu extrato bancário, possibilitando um controle financeiro facilitado.
  • Em comparação com os fundos de investimento, o custo é bastante competitivo.
  • As taxas cobradas são anuais e são comparáveis às de fundos com investimentos altos, o que torna o Tesouro Direto bastante atrativo.
  • Os impostos cobrados são os mesmos que os dos fundos de renda fixa e o imposto de renda será cobrado no vencimento do título.
  • A liquidez é diária, garantida pelo Tesouro Nacional, ou seja, o Tesouro Nacional compra seus títulos públicos todos os dias.
  • É um tipo de investimento bastante acessível, com apenas 30 reais disponíveis, uma pessoa física com conta em banco pode se tornar um investidor.
  • Todas as suas transações de investimento podem ser feitas online, através do seu Internet Banking. Portanto, é muito fácil e rápido investir no tesouro direto.
  • As datas de vencimento são variadas, isso permite um planejamento melhor adequado às suas necessidades.

Como investir no Tesouro Direto:

Em primeiro lugar, será preciso ter uma conta em alguma agência bancária de sua preferência. Também pode ser em uma corretora para investimentos financeiros para intermediar suas transações. Há uma documentação necessária para bancos e outras instituições financeiras para possibilitar a abertura da conta. Prepare os documentos exigidos e abra sua conta para realizar as operações de compra e venda.

Após a conclusão das etapas necessárias, entre em contato com a instituição financeira para realizar os investimentos. Você receberá uma senha provisória para acessar a área restrita do Tesouro Direto. Após o seu primeiro acesso à BM&FBovespa troque a senha provisória por uma com números, letras e caracteres especiais. Essa senha deverá ter entre 8 a 16 dígitos e será sua senha definitiva. Ao acessar o conteúdo, verifique qual são as opções de investimento mais adequadas a você. Há uma ferramenta chamada Orientador Financeiro, que lhe auxiliará na área restrita ao investidor.

Além disso, você poderá acessar suas aplicações através de 3 canais disponibilizados:

  • O site do próprio Tesouro Direto.
  • As instituições bancárias geralmente têm integração de seus sites com investimentos no Tesouro Direto. Você poderá não somente acessar, como também aplicar.
  • É possível autorizar a instituição financeira a negociar os títulos em seu nome automaticamente.
  • Você também pode programar os investimentos e aplicações através do sistema.

Instituições financeiras para investir no Tesouro Direto:

Essas instituições também são chamadas de agentes de custódia. Quer dizer, são corretoras ou bancos que têm habilitação para operar diretamente com o programa do Tesouro Direto. Essas empresas são responsáveis por realizarem o cadastramento e intermediarem as transações financeiras para investimentos. Além disso, contam com pessoas capacitadas a aconselharem e apoiarem os investidores em suas decisões. Salienta-se que cada empresa terá uma taxa própria para realização de operações financeiras de investimento no Tesouro Direto. Nem todas possuem integração ou permitem a aplicação programada, por isso consulte esses fatores se achar que são importantes para seus investimentos. Os prazos de repasse também variarão, bem como os prazos de vencimento das cobranças. Consulte o site oficial do programa para ver a lista completa de instituições, taxas, descrições das cobranças e prazos de repasse. A tabela está disponível no site oficial do Programa do Tesouro Direto.

Quais são os tipos de Títulos Públicos:

Há dois tipos de Títulos Públicos principais, os Títulos Públicos pré-fixados e os pós-fixados. Essas duas categorias ainda têm alguns subtítulos como os pré-fixados LTN (com juros semestrais) e os pós fixados baseados em taxas Selic, LTF, semestrais, etc.

Vamos verificar as diferenças entre os dois tipos de forma mais geral:

Títulos Públicos pré-fixados:

  • É possível saber exatamente a rentabilidade obtida até a data de vencimento.
  • São mais indicáveis se você achar que a taxa de juros será maior do que a taxa Selic (taxa de juros básica da Economia).
  • Têm rentabilidade predefinida, o que significa que a inflação terá que ser descontada dos seus juros sobre o investimento.
  • Podem ser LTN (fluxo de pagamento simples, então o pagamento será feito na data de vencimento do título) ou NTN-F (pagamento dos juros a cada seis meses).

Títulos Públicos pós-fixados:

  • O valor será corrigido por um indexador baseado na Selic e na taxa de inflação.
  • A taxa será indicada no momento da compra e deve ser somada à taxa do indexador no resgate.
  • As possibilidades de ganho são mais altas caso a taxa de inflação da economia e a Selic estejam mais altas.
  • Os valores mínimos para investimento podem ser maiores, por isso consulte seu agente de investimentos para obter orientações.
  • Nessa modalidade há três tipos disponíveis: o Selic (LTF), Tesouro IPCA + juros semestrais e Tesouro IPCA + NTN-B Pincipal.

Consulte os detalhes de cada modalidade de títulos públicos no site oficial do tesouro. Também será possível acessar um questionário para saber qual tipo é mais indicado para você.

Indicadores do Tesouro Direto:

Os indicadores econômicos serão bases importantes para quem pensa em investir no tesouro direto. As projeções, estimativas e porcentagens são os indicadores usados para medir os juros. Os órgãos que fornecem estudos estatísticos e de medidores econômicos são oficiais como o Banco Central, IBGE e a Bovespa. A partir de estudos de mercado e variação, são apresentados índices que refletirão sobre os juros de seu investimento. A cotação do dólar comercial também é usada como índice para medir em % as médias das consultas feitas pelo Banco Central. Enfim, esses indicadores são os mesmos usados para medir as taxas da economia do país em geral e indicam a ascensão ou queda de nossa economia.

As taxas para indicadores são:

  • IPCA: é o índice que mede a variação dos preços no mercado. Significa Índice de Preços ao Consumidor e representa a inflação oficial no Brasil medida.
  • IGPM: significa Índice Geral de Preços no Mercado, é calculado mensalmente pela FGV indicando as flutuações de preço na economia brasileira.
  • SELIC: a sigla significa Sistema Especial de Integração e Custódia. É a taxa básica de juros do Brasil. É uma média ponderada dos juros praticados pelas diversas instituições financeiras.
  • Índice do Dolar: serve como indicador porque é uma ferramenta importante para qualquer investidor. Compara o dólar americano com outras moedas ao redor do mundo, oferecendo assim parâmetros para previsões futuras na economia.
  • Ibovespa: considerado o indicador mais importante de cotação das ações negociadas na Bolsa de valores de São Paulo.

Títulos Públicos são investimentos de renda fixa:

Nesse sentido, caso você opte por investimentos de renda fixa pode considerar os títulos públicos como uma opção segura. Nos investimentos de renda fixa, a pessoa que investe já conhece as condições de remuneração. Porém, o rendimento final ficará a cargo das variações nos índices. O intervalo entre a data de compra e vencimento pode fazer o preço flutuar de acordo com as oscilações da taxa Selic, por exemplo. Consequentemente, os preços dos títulos serão influenciados pelos juros obtidos através dos indicadores. Em suma, a renda fixa significa que você estará emprestando seus investimentos a alguém que pagará juros sobre os empréstimos. Isso pode ser benéfico a todas as partes, tanto para o banco, quanto para quem empresta ou busca investimento a seus negócios. Assim, você simplesmente estará emprestando dinheiro a empresas que precisem e o banco intermediará o processo, garantindo a segurança de seus investimentos também.

Concluindo:

Títulos Públicos como alternativas de investimentos em renda fixa representam benefícios porque permitem maior rendimento do que a caderneta de poupança. Para quem procura lucrar com investimentos e também busca segurança, investir em Títulos Públicos do Tesouro Direto pode ser uma excelente opção. Por outro lado, as empresas também saem ganhando porque ao abrirem seu patrimônio ao mercado de títulos e ações evitam taxas abusivas de juros cobradas em financiamentos bancários para o funcionamento de seus negócios.

Originally posted 2018-04-06 15:15:30.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *